#futebolrc

    ...
... ... ... ... ...

Notícias

Rádios
Rádios
Rádios
Rádios

Com gol de Romarinho para o Al Jazira, Real Madrid vence e vai a final do Mundial

Nesta quarta-feira, o Real Madrid terminou o primeiro tempo atrás no placar, graças ao gol do ex-corintiano Romarinho, mas conseguiu balançar as redes no segundo tempo, depois que o goleiro Al Khesaif foi substituído, com Cristiano Ronaldo e Gareth Bale para superar os anfitriões por 2 a 1 no estádio Zayed Sports City, em Abu Dhabi. Com o resultado, o Real Madrid chega à sua sexta final de Mundial de Clubes, a terceira neste formato, e pode se igualar ao Barcelona, que possui três títulos do torneio organizado pela Fifa, um a mais que os merengues, que também venceram as Copas Intercontinentais de 1960, 1998, esta contra o Vasco da Gama, e 2002. Agora, o Real Madrid terá pela frente o Grêmio, que superou o Pachuca nesta terça-feira por 1 a 0, com gol de Éverton. A grande final acontece no próximo sábado, às 15h (de Brasília), no Zayed Sports City.
Logo aos três, Cristiano Ronaldo experimentou de fora da área para testar o goleiro, mas viu a bola passar próxima do ângulo esquerdo do rival. No minuto seguinte novamente CR7 levou perigo, se antecipando à zaga e aproveitando o cruzamento de Isco para cabecear firme, no cantinho, porém, Al Khesaif fez grande defesa. Aos seis minutos Cristiano Ronaldo, em sua terceira chance, escorou após cobrança de escanteio, e a bola acabou desviando na zaga, exigindo que Al Khesaif demonstrasse todo o seu reflexo no lance e novamente salvasse os anfitriões. Dez minutos depois foi a vez de Benzema esbarrar no goleiro, que voou no canto esquerdo para defender a cabeçada do atacante francês e mandar para a linha de fundo. Modric resolveu arriscar de longe, no entanto, o goleiro rival seguiu inspirado e freou o ímpeto do croata. Depois de tanto se defender, o Al Jazira, enfim, agrediu os merengues aos 20 minutos, quando Mabkhout aproveitou o contra-ataque para finalizar de fora da área e ver a bola passar muito próxima à trave direita de Keylor Navas. Isco fez boa jogada pela esquerda aos 22 minutos e cruzou na cabeça de Benzema, que por sua vez mandou para o fundo das redes. No entanto, o árbitro brasileiro Sandro Meira Ricci já havia marcado falta de Cristiano Ronaldo no zagueiro do Al Jazira. Posteriormente, aos 31 minutos, houve outro gol anulado dos espanhóis. Desta vez com o auxílio do árbitro de vídeo, o juiz invalidou a cabeçada de Casemiro por conta do impedimento de Benzema. Em outra oportunidade em contra-ataque, aos 41 minutos, Romarinho recebeu pela esquerda e, diferentemente de Mabkhout, levou para o meio e bateu rasteiro, cruzado, sem chances para Keylor Navas. Com isso, restou pouco tempo para o Real Madrid buscar o empate antes de ir para o intervalo, fato que forçou a equipe espanhola a se dirigir ao vestiário com a incrível desvantagem no placar.
Logo aos três minutoss da segunda etapa, Romarinho iniciou jogada de contra-ataque, acionando Mabkkhout, que saiu na cara do gol e tocou para Boussoufa mandar para as redes. Porém, com o auxílio do árbitro de vídeo, Sandro Meira Ricci anulou o que seria o segundo gol do Al Jazira na partida. Logo em seguida, Al Khesaif, que vinha sendo o herói dos donos da casa, ao lado de Romarinho, teve que ser substituído por conta de um incômodo na coxa esquerda que já durava desde a primeira etapa. O gajo Cristiano Ronaldo, aos sete minutos, enfim, conseguiu igualar a partida. O craque português recebeu de Modric de costas para o gol, dominou girando e bateu firme, cruzado, para balanças as redes. Aos 14 minutos o Real Madrid teve a oportunidade de virar a partida com Benzema, que após grande lançamento de Casemiro bateu colocado e viu Al Senani fazer grande defesa. Aos 20, Benzema bateu com a perna esquerda e carimbou a trave direita do Al Jazira. Seis minutos depois foi a vez de o camisa 9 pegar errado na bola e, ainda assim, vê-la tocar na trave novamente e sair pela linha de fundo. Restando dez minutos para o fim da partida, o técnico Zinedine Zidane decidiu recorrer a Gareth Bale, que com poucos segundos em campo tratou de resolver o problema do Real Madrid e garantir a virada. Em cruzamento de Lucas Vázquez, o galês apareceu de trás para bater de chapa e vencer o goleiro rival, que ainda teve sua visão atrapalhada por Cristiano Ronaldo.

FICHA TÉCNICA
AL JAZIRA (EAU) 1 X 2 REAL MADRID (ESP)

Local: Estádio Zayed Sports, em Abu Dhabi (Emirados Árabes Unidos)
Data: 13 de dezembro de 2017 (Quarta-feira)
Horário: 15h (de Brasília)
Árbitro: Sandro Meira Ricci (Brasil)
Assistentes: Emerson de Carvalho (Brasil) e Marcelo Van Gasse (Brasil)

GOLS: Romarinho, aos 41 minutos do 1ºT (Al Jazira); Cristiano Ronaldo, aos sete minutos do 2ºT e Gareth Bale, aos 35 minutos do 2ºT (Real Madrid)
Cartões amarelos: Ayed (Al Jazira)

AL JAZIRA: Ali Khaseif (Al Senani); Fares Juma, Salim Rashid, Ayed e Musallem Fayez; Mohamad Al Attas, Yaqoub Al Hosani (Rabia), Mbark Boussoufa e Al Hammadi; Romarinho e Ali Mabkhout
Técnico: Henk ten Cate

REAL MADRID: Keylor Navas; Achraf, Raphaël Varane, Nacho e Marcelo; Casemiro, Kovacic (Asensio), Luka Mòdric e Isco (Lucas Vázquez); Cristiano Ronaldo e Karim Benzema (Bale)
Técnico: Zinedine Zidane

Foto: Divulgação/Twitter

Grêmio vence Pachuca na prorrogação e vai à final do Mundial de Clubes

O Grêmio está na final do Mundial de Clubes. O Tricolor garantiu a vaga após vencer o Pachuca-MEX com gol na prorrogação. Após empatar em 0 a 0 no tempo normal, Éverton fez o gol da vitória do time brasileiro na semifinal do torneio, no estádio Hazza Bin Zayed, em Al Ain (EAU). O Grêmio aguarda o vencedor da outra semifinal, entre Al Jazira e Real Madrid, que ocorre nesta quarta-feira, para saber quem vai enfrentar na grande decisão. A final do Mundial de Clubes vai ser realizada neste sábado, às 15 horas (horário de Brasília), no estádio Zayed Sports City, em Abu Dhabi (EAU).
Após cobrança de escanteio de Luan, aos 5 minutos, o centroavante Lucas Barrios conseguiu cabecear, mas a bola saiu para tiro de meta. Aos 7 minutos, em jogada pela esquerda de ataque, Bruno Cortez tocou para Michel que, dentro da área, cruzou rasteiro para Barrios, mas Murillo chegou primeiro e afastou o perigo. No contra-ataque, Honda recebeu a redonda perto da área adversária e arriscou o chute. A bola passou perto da trave esquerda de defesa do goleiro Marcelo Grohe. A primeira grande chance gremista foi aos 16. Em cobrança de falta próxima da esquerda da área, o lateral-direito Edílson bateu direto no gol e a bola passou perto do travessão. Em ótimo lançamento para a área, o meia Honda recebeu livre entre os zagueiros gremistas, mas, no momento da conclusão, Cortez apareceu na hora certa para afastar o perigo. Aos 29 minutos, Luan viu Ramiro entrando livre na área e ergueu a redonda para o meia. Ramiro deu apenas um toquinho na bola, que saiu pela linha de fundo. O próprio Ramiro sofreu falta na direita de ataque na entrada da grande área. O atacante Fernandinho foi para a cobrança, aos 40 minutos, mas a bola passou por cima da meta. O Pachuca-MEX quase abriu o marcador no último minuto da primeira etapa. Em contra-ataque rápido, os mexicanos tabelaram bem e Honda ficou cara a cara com o goleiro Marcelo Grohe. Contudo, no momento da conclusão, o lateral Bruno Cortez apareceu, mais uma vez, para evitar o tento adversário.
Aos 9 minutos da segunda etapa, o volante Jailson perdeu a bola no meio de campo e proporcionou um contra-ataque para os Tuzos. O atacante Urretaviscaya carregou até a entrada da área e chutou a meia altura, para grande defesa do goleiro Marcelo Grohe. Luan recebeu na intermediária, carregou a redonda e chutou rasteiro no canto. A bola ia entrar, mas o goleiro Pérez saltou e deu um toque na bola, que ainda raspou a trave antes de sair para escanteio. Aos 28 minutos, Luan fez boa jogada e sofreu falta na direita de ataque. Edílson bateu colocado e a bola bateu na rede pelo lado de fora, enganando alguns torcedores gremistas, que gritaram gol. O goleiro Pérez ficou apenas parado assistindo. Três minutos depois, Éverton recebeu dentro da área, fintou dois jogadores adversários, mas demorou muito para concluir. No momento da finalização, a bola explodiu na marcação dos mexicanos. Aos 34 minutos, após cobrança de escanteio, a zaga gremista afastou. No rebote, Urretaviscaya recebeu na direita e levantou novamente na área e Guzman desviou de cabeça. A bola passou tirando tinta da trave direita de defesa do goleiro Marcelo Grohe. Em cobrança de escanteio, aos 42 minutos, Fernandinho ergueu na área, o atacante Jael desviou e a bola ia sobrar para Luan, mas a redonda bateu na coxa e sobrou para o goleiro Pérez. Apesar da pressão final do Grêmio, ninguém balançou as redes no tempo normal e a partida foi para a prorrogação.
O gol do Grêmio veio aos 4 minutos. O lateral-esquerdo Bruno Cortez cobrou rápido o lateral para Éverton. O atacante partiu em direção ao gol e, dentro da área, bateu forte, colocado em curva, balançando as redes, para o torcedor gremista poder soltar o grito de gol. Aos 13 minutos, o Grêmio quase ampliou. Após bela troca de passes da equipe brasileira, o lateral-direito Léo Moura cruzou rasteiro e o atacante Jael quase alcançou a bola, que passou na frente da meta. No segundo tempo, o time brasileiro seguiu pressionando. Aos 2 minutos, Léo Moura recebeu livre pela direita, arrancou e fez um lançamento para Jael, mas no momento exato o zagueiro Herrera apareceu dando um carrinho, mandando para escanteio. A situação do Grêmio melhorou após Guzmán fazer faz em Léo Moura e receber o segundo cartão amarelo e, consequentemente, o vermelho. Aos 6, o Grêmio balançou as redes com Jael, mas o árbitro já assinalava impedimento no lance. Um minuto depois, em contra-ataque gremista, Luan recebeu na direita, encarou a marcação e chutou na meta, mas a bola subiu muito, saindo pela linha de fundo. Ainda aos 16 minutos, Éverton quase ampliou o placar, mas mandou a finalização nas mãos do goleiro.

FICHA TÉCNICA
GRÊMIO 1 x 0 PACHUCA

Local: Estádio Hazza Bin Zayed, em Al Ain (Emirados Árabes)
Data: 12 de dezembro de 2017, terça-feira
Horário: 15 horas (de Brasília)
Árbitro: Felix Brych (Alemanha)
Assistentes: Mark Borsch (Alemanha) e Stefan Lupp (Alemanha)
Público: 6.428 torcedores
Cartões amarelos: Kannemann, Ramiro, Jael (Grêmio), Guzman, García e Hernandez (Pachuca)
Cartão vermelho: Guzman (Pachuca)
Gols: GRÊMIO: Everton, aos 4 minutos do primeiro tempo da prorrogação

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Edilson (Léo Moura), Geromel, Kannemann e Cortez; Jailson e Michel (Everton); Ramiro, Luan e Fernandinho (Rafael Thyere); Barrios (Jael)
Técnico: Renato Gaúcho

PACHUCA: Oscar Pérez; Omar González, Óscar Murillo, Martínez e Emmanuel García (Sagal); Jorge Hernández; Urretaviscaya (Cano), Honda, Guzmán, Aguirre (Sánchez); Franco Jara (Robert Herrera)
Técnico: Diego Alonso

Foto: Divulgação/Twitter

Stock Car: Daniel Serra fatura título inédito da categoria em Interlagos

Pole Position: Líder desde a quinta etapa do campeonato, em Curitiba, Daniel Serra confirmou o favoritismo e faturou o título inédito da Stock Car ao terminar a 12ª prova do ano, em Interlagos, na terceira posição. Seu rival pela taça, Thiago Camilo, sofreu com problemas e chegou apenas em 14º lugar, longe da vitória de que precisava para ter chances de reverter a decisão. A vitória na prova foi de Ricardo Maurício, companheiro de Serra na Eurofarma RC.
Na largada, Thiago Camilo, pego no meio do pelotão, caiu de oitavo para 10º. Na frente, Daniel Serra mantinha a segunda colocação para, na segunda e na terceira voltas, trocar posições com o líder Ricardo Maurício, colega de equipe. Com o rendimento em queda, Camilo caiu ainda mais na sétima volta, quando foi ultrapassado por Felipe Lapenna (110 – Cavaleiro Sports). Ele devolveu a manobra no final da volta, mas aí já havia perdido ainda mais tempo em relação ao, agora líder isolado, Serra. O líder do campeonato perdeu a primeira posição nos boxes, após os pit-stops obrigatórios. Novamente Ricardo Maurício estava à sua frente, com os dois no meio do pelotão enquanto os carros que vinham em primeiro – com o gaúcho Cesar Ramos na ponta – ainda não haviam reabastecido. Ramos, no entanto, não contava com os problemas que acabara com a sua prova, um dos destaques de todo o final de semana. O piloto da Blau Motorsports teve problemas na sua parada e voltou dos boxes na 27ª colocação, sem chances de chegar a um pódio que parecia ao alcance.
Ao final da janela de pit-stops, a corrida tinha Ricardo Maurício na frente e Max Wilson em segundo, com Serra confortável na terceira colocação, o mínimo de que necessitava se Camilo vencesse. Algo que estava longe de acontecer, já que o piloto da Ipiranga seguia com problemas e havia caído ainda mais, para 13º. Terminou a prova em 14º e, pela terceira vez, completava o ano em segundo lugar. Era só administrar os minutos finais. E foi o que Daniel Serra fez até se completarem os 40 minutos, em 24 voltas. Com uma tocada tranquila, o filho do tricampeão Chico Serra, aos 33 anos, se tornou o 18º campeão da Stock Car no Brasil. Em um ano de ouro, com os destaques para as vitórias nas 24 Horas de Le Mans, na categoria GT Pro, e na Corrida do Milhão da Stock, o piloto do carro 29 da Eurofarma RC foi, merecidamente, consagrado com o seu primeiro título.
Foto: RBS

José Carlos Peres derrota Modesto e vence eleição tensa no Santos

Após dez horas, José Carlos Peres venceu e será o presidente do Santos pelos próximos três anos, em um mandato que terá início a partir de 1º de janeiro de 2018. Ele derrotou três adversários: Modesto Roma Júnior, atual presidente, Nabil Khaznadar e Andres Rueda. No total, foram 15 urnas apuradas, sendo dez em Santos e cinco em São Paulo. A vitória de Peres foi confirmada antes da apuração da urna 10 em Santos. Isso porque ele somava 455 de vantagem para Modesto Roma Júnior.  
No momento da vitória de Peres, o atual presidente santista já não estava mais no ginásio da Vila Belmiro, em Santos, onde se concentraram os candidatos.
O pleito iniciou às 10h e deveria ser encerrado às 18h (de Brasília). Mas no horário combinado havia mais de uma centena de sócios aguardando em fila para votar nas cédulas (o Santos não usa urnas eletrônicas).  A solução foi fechar os portões e permitir que apenas os que já estava esperando votassem.  A decisão foi do presidente do conselho deliberativo santista, Fernando Gallotti Bonavides, e não repercutiu bem. Houve tentativa de invasão do ginásio da Vila Belmiro, em Santos, onde a eleição estava sendo realizada. Os oficiais da polícia que estavam no local reagiram com gás pimenta e bombas de efeito moral. Outro motivo de revolta foi que Bonavides determinou a troca dos mesários. O último voto do dia foi registrado às 20h58 (de Brasília).
Pela manhã conselheiros trocaram acusações. O atual mandatário, Modesto Roma Júnior, discutiu com alguns opositores. As filas mostravam-se longas e mal organizadas. Alguns sócios relataram para a reportagem que tiveram de aguardar mais de sete horas para conseguir votar. Houve discussão por conta da urna 10, na qual votaram os sócios com menos tempo de filiação ao quadro societário do Santos. 2.152 sócios estavam inscritos nesta urna, sendo que:
- 54 ficaram sócios em 15/11/2016; 
- 291 ficaram sócios em 23/11/2016;
- 612 ficaram sócios em 29/11/2016;
- 1 ficou sócio em 30/11/2016;
- 176 ficaram sócios em 01/12/2016;
- 350 ficaram sócios em 02/12/2016;
- 482 ficaram sócios em 05/12/2016;
- 162 ficaram sócios em 06/12/2016;
- 4 ficaram sócios em 07/12/2016;
- 20 ficaram sócios em 09/12/2016;
Todos no limite do prazo necessário para participarem do pleito deste ano.  A eleição teve polêmica também em São Paulo. Os sócios do Santos que moram na capital paulista tiveram de votar na sede da Federação Paulista de Futebol. 20 chineses tentaram votar na urna 5, o que levantou suspeitas. Eles acabaram não votando. 
Confira quem venceu em cada urna:
Urna 1: Modesto, 137 votos (votos totais: 247)
Urna 2: Modesto, 224 votos (votos totais: 548)
Urna 3: Modesto, 248 votos (votos totais: 709)
Urna 4: Peres, 194 votos (votos totais: 630)
Urna 5: Peres, 147 votos (votos totais: 435)
Urna 6: Peres, 109 votos (votos totais: 310)
Urna 7: Peres, 138 votos (votos totais: 376)
Urna 8: Rueda, 142 votos (votos totais: 355)
Urna 9: Rueda, 107 votos (votos totais: 290)
Urna 10: Modesto, 290 votos (votos totais: 340)

SÃO PAULO: vencedor Peres, 715 votos (votos totais: 1.449)
Urna 1: Peres, 158 votos (votos totais: 338)
Urna 2: Peres, 176 votos (votos totais: 318)
Urna 3: Peres, 161 votos (votos totais: 299)
Urna 4: Peres, 154 votos (votos totais: 300)
Urna 5: Modesto, 80 votos (votos totais: 194)
Foto: Divulgação Santos FC

Hoje: Santistas escolhem novo presidente

Neste dia 9 de dezembro de 2017 acontece a definição de quem comandará o Santos pelos próximos três anos. A partir das 10h (de Brasília), começam as eleições presidenciais do Peixe. O atual mandatário Modesto Roma Júnior, da ‘Santos Gigante’, irá concorrer com José Carlos Peres, da chapa ‘Somos Todos Santos’, Andres Rueda, da ‘Santástica União’, e Nabil Khaznadar, do grupo ‘O Santos Que Queremos’.
As eleições do alvinegro ficaram marcadas por denúncias, “fake news” nas redes sociais e ataques entre os rivais durante debates e entrevistas. Na última quinta-feira, inclusive, os três candidatos de oposição se uniram para pedir uma investigação ao GAECO (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), órgão do Ministério Público, sobre uma eventual prática criminosa por conta do ‘boom’ de sócios do Peixe no fim de 2016. O atual presidente Modesto Roma Júnior quer a construção de uma nova arena na Baixada Santista e faz questão de exaltar que passou os últimos três anos pagando as dívidas da antiga gestão, comandada por Odílio Rodrigues.

Foto: Ricardo Saibun/ Divulgação Santos FC

Pratto sobre interesse do River: "Jogar em uma equipe tão grande é tentador"

Lucas Pratto foi especulado no River Plate e, mais recentemente, no Cruzeiro. Diante da chance de retornar à Argentina para defender um dos maiores clubes do país, o camisa 9 tricolor garantiu que o interesse é “tentador”, porém, lembrou que ainda tem contrato até dezembro de 2020 com a equipe do Morumbi.
“Se eles querem, deveriam negociar com o São Paulo. Para mim não chegou nada e seria uma falta de respeito falar com alguém, porque aqui me tratam muito bem. Fico tranquilo que os grandes times queiram me contratar. Jogar em uma equipe tão grande e com tanta história é tentador, ainda mais com uma comissão técnica muito vencedora. Te seduz, mas tenho contrato com o São Paulo e seria uma falta de respeito”, disse Lucas Pratto em entrevista à emissora argentina TyC Sports.
Depois do rebaixamento em 2011, o River Plate se reergueu e conquistou diversos títulos nos últimos quatro anos. Em 2014 faturou a Copa Sul-Americana e o Campeonato Argentino. Na temporada seguinte, já sob o comando de Marcelo Gallardo, venceu a Libertadores e a Recopa Sul-Americana. Em 2016 voltou a faturar a Recopa, além de se sagrar campeão da Copa da Argentina. Para se manter entre os principais do continente é que o River Plate tem grande interesse em Lucas Pratto, que chegou a ser convocado para a seleção argentina nas últimas Eliminatórias Sul-Americanas sob o comando do técnico Edgardo Bauza. O atacante são-paulino, inclusive, também comentou sobre o desejo de voltar a ser chamado para defender a Albiceleste, porém, reconheceu a difícil concorrência na posição em que atua.
“Parece estranho para mim não ter recebido uma ligação. Não sou único para obrigar a me convocar e sei que nessa posição que jogo a Argentina tem jogadores e qualidades de sobra. Vou trabalhar o melhor possível para ter alguma chance de mostrar meu futebol novamente para o novo treinador”, concluiu Pratto.
Foto: Fernando Dantas

Sul-Americana: Independiente vence Flamengo de virada na primeira da final

Flamengo e Independiente disputaram o primeiro jogo da final da Copa Sul-americana na noite desta quarta-feira, em Avellaneda, na Argentina. O confronto terminou com vitória da equipe da casa por 2 a 1, de virada. Réver abriu o placar para o time brasileiro no primeiro tempo, e com Gigliotti, no primeiro tempo, e Meza, no segundo, o Independiente virou o placar. O título da competição continental será decidido daqui há uma semana, no Rio de Janeiro. Flamengo e Independiente jogarão na próxima quarta-feira, dia 13, às 21h45 (Brasília), no Maracanã. O Independiente será campeão se vencer ou empatar por qualquer placar. O Flamengo precisa vencer por dois gols de diferença. Se no acumulado der empate, haverá prorrogação e pênaltis. 
Com maior volume de jogo, os cariocas avançam pela esquerda com paquetá, e o jovem prata da casa sofre falta na chegada da área, aos 7 minutos. Trauco cobra e levanta no segundo pau. A defesa argentina vacila e Réver sobe sozinho para cabecear cruzado e ver a bola morrer no fundo da rede. Forçando o jogo pela direita em cima de Trauco, o Independiente chegou com perigo aos 14. Meza foi para o mano a mano, levou vantagem e sobre peruano e cruzou. Gigliotti furou e na sobra Miño foi travado dentro da área por Pará. O rubro-negro respondeu aos 20. Arão recuperou uma bola no meio e iniciou o contra-ataque. Everton Ribeiro sofreu falta na intermediária pela direita, e na cobrança, a bola é alçada na área e Juan aparece livre atrás dos zagueiros. O veterano se estica e tenta desviar para o gol, mas manda para fora. Aos 23, Miño cruza e a defesa afasta. Dois minutos depois, Trauco comete falta perto da linha da grande área. Gastón Silva arrisca direto no canto esquerdo de César, mas o goleiro estava bem posicionado e fez boa defesa. O Flamengo tentava recuperar a posse de bola, mas aos 28 Everton Ribeiro errou passe no ataque e deu o contra-ataque aos argentinos, que avançam em velocidade e chegam na área. Gigliotti recebe livre no meio e, defrente para o gol, acerta o canto de César para decretar o empate. Os cariocas passam a trocar mais passes, e aos 32 Everton Ribeiro faz jogada pela direita e toca na área para a enrtada de Diego. O meia recebe e arma o chute, mas é bloquedo por um zagueiro argentino. Aos 38, Vizeu recebe de Paquetá na entrada da área com espaço para avançar, ajeita e tenta o chute, mas a bola vai fraca e pela linha de fundo. Everton Ribeiro faz falta em Tagliafico no bico da grande área. Cobrança é feita com um cruzamento rasteiro, que passa por todo mundo e para em César.
Aos 3 da segunda etapa, tabela no ataque e Gastón Silva recebe livre para o chute, mas erra o alvo e manda para fora. O mesmo Gastón Silva acerta outro chute um minuto depois, e desta vez César faz a defesa. O gol da virada saiu aos 7 minutos. Barco faz grande jogada pela esquerda, se livra de marcação dupla e cruza para a entrada da área. Meza, sozinho, acerta belo voleio sem deixar a bola tocar no chão e manda no canto de César. Do outro lado, Reinaldo Rueda acionou Everton, que vinha de contusão e estava no banco, e sacou Paquetá. Aos 19, Everton Ribeiro fez boa jogada pela direita e tocou para Vizeu livre na área. O atacante demorou um pouco para concluir e seu chute foi interceptado por um zagueiro, que mandou para escanteio. Na sequência, Everton Ribeiro dá belo passe por cobertura para a entrada de Everton, na esquerda da área. O rubro-negro tenta a conclusão, mas o marcador argentino se estica todo e impede o chute. Aos 27, Rueda faz a segunda alteração e coloca Vinícius Júnior em campo e tira Diego, que já dava sinais de desgaste. Com isso, Everton Ribeiro passa a atuar pelo meio. A jóia do Fla bota velocidade no jogo, e aos 30 recebe na área e chuta cruzado, mas Campaña defende. Aos 40, Everton parte na velocidade e é derrubado por trás quando ia entrar na área. Depois de muita catimba argentina, Trauco cobra por cobertura, mas a bola sai fraca e Campaña defende com tranquilidade. Aos 48, escanteio pela direita e Juan tentou o cabeceio, mas a bola saiu fraca e o goleiro argentino fez a defesa.

FICHA TÉCNICA
INDEPENDIENTE-ARG 2 X 1 FLAMENGO-BRA

Local: Estádio Libertadores de América, em Avellaneda (Argentina)
Data: 6 de dezembro de 2017 (Quarta-feira)
Horário: 21h45(de Brasília)
Árbitro: Mario Díaz de Vivar (Paraguai)
Assistentes: Milciades Saldivar (Paraguai) e Darío Gaona (Paraguai)
Cartões amarelos: Tagliafico, Bustos, Amorebieta (Independiente), Diego (Fla)

GOLS:
INDEPENDIENTE: Gigliotti, aos 28 min do 1º tempo; Meza, aos 7 min do 2º tempo
FLAMENGO: Réver, aos 8 min do 1º tempo

INDEPENDIENTE: Martín Campaña, Fabricio Bustos, Nicólas Tagliafico, Alan Franco (Amorebieta) e Gastón Silva; Martín Benítez (Juan Martínez), Diego Rodríguez, Maximiliano Meza (Domingo), Juan Sánchez Miño e Ezequiel Barco; Emmanuel Gigliotti
Técnico: Ariel Holan

FLAMENGO: César, Pará, Réver, Juan e Miguel Trauco; Willian Arão, Gustavo Cuéllar, Diego (Vinicius Junior) e Everton Ribeiro; Lucas Paquetá (Everton) e Felipe Vizeu
Técnico: Reinaldo Rueda

Foto: JUAN MABROMATA/AFP