Slider

Vídeos

Colunas

Galeria

Favoritos

Eventos

Dane-se o Pedro!

Neymar está insatisfeito com o técnico Luís Enrique

Já virou rotina nos jogos do Barcelona. Neymar é substituído no segundo tempo e sai bastante irritado com o técnico Luís Enrique. O brasileiro esperneia e gesticula contra o treinador. 

Depois dos jogos, Luís Enrique bota panos quentes. Mas Neymar continua sendo substituído, independentemente se está jogando bem ou mal. De vez em quando, o uruguaio Luís Suárez é substituído. E assim como Neymar, o “vampiro” deixa o campo bastante contrariado. Até Lionel Messi já foi substituído em uma partida do primeiro turno do campeonato espanhol, e, é claro, também não reagiu bem.

Em geral, os jogadores devem respeitar o treinador e acatar as decisões. Em qualquer equipe, se hierarquia não for respeitada, vira bagunça. Entretanto, toda regra tem exceção. Neymar e seus companheiros estão certíssimos.

Normalmente, muitas estrelas em um mesmo time não dão certo. Às vezes o estilo de jogo de um não se encaixa com o do outro, mas na maioria das vezes o ego fala mais alto. Lembre-se do ataque dos sonhos do Flamengo? Raramente dá certo.

Não é o caso do Barcelona. O estilo de jogo dos três espetaculares atacantes se encaixa perfeitamente. Um completa o outro, e melhor, os três se dão muito bem fora de campo. Só não estão mais entrosados, porque Luís Enrique insiste em separá-los no início da segunda etapa. Tudo para colocar o Pedro.

Pedro é um bom jogador, campeão de tudo pelo Barça, e campeão da Copa do Mundo pelo selecionado espanhol em 2010. Jogador de respeito, mas sem comparação com o trio sul-americano.  

No jogo de ida pelas quartas-de-finais da Champions League, Suárez com duas “canetas” acabou com David Luiz e praticamente eliminou o Paris Saint-Germain. Por pouco, Luís Enrique não sacou o uruguaio, que até então estava apagado, para colocar o Pedro. 

Luís Enrique precisa entender que craque é assim, pode não estar bem, mas no momento de decisão, é ele que decide. 

Poucos treinadores na história do futebol tiveram o privilégio de ter três gênios no mesmo time. Não desperdice a chance, Luís Enrique!

O mundo quer ver espetáculo! O mundo quer ver show! O mundo quer ver Messi, Suárez e Neymar juntos! E por noventa minutos! Dane-se o Pedro!


Duca Reis é jornalista e radialista e escreve todas as segundas e quintas para o Portal da Rede Contínua



Panorama Carioca: Pênaltis colocam Botafogo e Vasco na decisão


Botafogo e Vasco farão a decisão do título estadual 2015. Merecidamente as duas equipes que jogaram com mais vontade nestes jogos semifinais. Agora a pouco no Maracanã, o Cruzmaltino bateu o Flamengo por 1 a 0 em pênalti polêmico. Gilberto converteu a oportunidade criada por Serginho em contra-ataque. O volante entrou na área e em velocidade chocou-se com o zagueiro rubro-negro Wallace. Rodrigo Nunes Sá, árbitro do jogo, marcou a penalidade. A base rubro-negra formada em 2014-2015 tem dificuldades em jogos decisivos – assunto da coluna passada. Principalmente em volume de jogo. A vantagem de empatar por duas vezes foi uma dose de veneno e Luxemburgo não soube aproveitá-la. Pode reclamar do pênalti, mas não deve esquecer a falta de postura operante do seu time. Jogar sempre por “uma bola” é muito eficiente para salvar o time da degola, se há interesse em formar um elenco campeão é preciso mais.

Tem Fogão na decisão!

Ontem no estádio Nilton Santos, emoção foi o que não faltou. Ciente da necessidade de fazer gols, o técnico René Simões lançou o time ao ataque. Aos 6 minutos, fez o primeiro. Verdade quem em jogada irregular. Rodrigo Pimpão a frente da zaga tricolor cruzou para Fernandes livre na esquerda marcar. Aliás, Pimpão jogou muito. Além da objetividade de finalização, deu um belo chute de voleio e um drible desconcertante em Marlon. O atacante Bill, mais oportunista que talentoso, fez o segundo. No fim, mais uma lambança da arbitragem do Rio: pênalti mal marcado por Péricles Bassols do goleiro Renan sob o atacante Kennedy. O meio-campo Jean, com categoria, diminuiu e colocou o Flu na briga.

O segundo tempo foi monótono. Já os pênaltis, eufóricos. 22 chutes, 4 defesas e todos os que encerraram o jogo foram a meta. Como o empate teimava em insistir, os goleiros Cavalieri e Renan chutaram. O goleirão do Flu, que havia feito duas defesas importantes nos chutes de Marcelo Mattos e Giareta, tinha tudo para ser o herói da noite, injustamente virou vilão. Bateu o penal como quem bate um tiro de meta.

Coube a Renan então ser o personagem do jogo. Converteu o gol da classificação e antes já havia defendido os chutes de Kennedy e Gérson. Sem contar a responsabilidade de substituir nada mais nada menos que o goleiro da seleção, Jéfferson. Requisitos heroicos não faltaram na noite do arqueiro.

Maracanã é o palco

Marcelo Vianna, diretor de competições da FERJ, já mandou o recado: finais no Maracanã. Nada de Engenhão e São Januário para Botafogo x Vasco.

Ambulância

A série B do Rio protagonizou o primeiro WO da competição na última quarta (15). Sem ambulância, o Mangaratibense foi derrotado por 3 a 0 para o tradicional S. Cristovão.

A equipe de Mangaratiba vive dias amargos na segundona: é o último na competição. Já o tradicional time da zona norte carioca, apesar da molezinha, sequer se classificou para segunda fase do turno – terminou como oitavo.

Taça Santos Dumont

Assim sendo, a Taça Santos Dumont, primeiro turno da segundona, definiu neste sábado os semifinalistas. Dono da melhor campanha, o América encara o Americano. O Angra dos Reis surpreendeu na reta de chegada e pega a Portuguesa da Ilha.

Os jogos serão disputados já na próxima quarta, 22, e sábado, 25. América e Portuguesa, donos das melhores campanhas, decidem em casa.

Semana que vem

No próximo sábado, antes dos jogos finais, a coluna escala a seleção do Campeonato Carioca.

PERGUNTA A CONFERIR

Que Gilberto foi o cara do jogo para o Vasco, isso todo mundo sabe. A gente só não entende a surpresa do atacante domingo passado na zona mista ao se espantar que a vantagem das semis era do Flamengo. Em S. Januário não explicaram ou o atacante não prestou atenção?


Eduardo Moura é jornalista e escreve todos os sábados para a Rede Contínua. E-mails para coluna: edubmoura01@gmail.com

Corinthians poderá se complicar em caso de derrota

Elias fez o gol da vitória na Argentina


Logo mais o Corinthians entra em campo para confirmar seu favoritismo e a classificação para as oitavas-de-finais da Copa Libertadores. Mas não será fácil. O San Lorenzo é o atual campeão e merece respeito.

A classificação definida pela imprensa e torcedores como favas contadas poderá ficar mais longe em caso de derrota. Se o Corinthians perder hoje e na próxima semana para o São Paulo, e o San Lorenzo vencer o eliminado Danubio na Argentina, haverá um tríplice empate em pontos e a decisão irá para o saldo de gols. Improvável? Sim. Impossível? Não.

Já contando que o San Lorenzo vencerá o Danubio e chegará aos nove pontos, dá para imaginar os seguintes cenários para o grupo:

Cenário 1 – Corinthians vence o San Lorenzo:
Corinthians classificado. O São Paulo tem nove pontos e precisaria apenas de um empate contra o rival brasileiro no Morumbi. Em caso de derrota tricolor, a decisão do segundo lugar iria para o saldo de gols. 

Cenário 2 – Corinthians e San Lorenzo empatam:
Corinthians classificado. O São Paulo precisaria vencer o Corinthians para superar os argentinos. Um empate levaria a decisão da segunda vaga para o saldo de gols.

Cenário 3 – San Lorenzo vence o Corinthians:
Corinthians se mantém com doze pontos e se classifica com um empate contra o São Paulo. Uma derrota causará um tríplice empate em pontos. A decisão iria para o saldo de gols. 

Apesar de ainda correr risco, acredito que o Corinthians confirmará a classificação ainda hoje. E também acredito que o São Paulo passará para a próxima fase. 


Duca Reis é jornalista e radialista e escreve todas as segundas e quintas para o Portal da Rede Contínua




Quem será Campeão?

(Foto: Marcos Ribolli)
Olá, leitores do Portal da Rede Contínua. Esse repórter abelhudo já discorreu nesse espaço sobre o confuso regulamento do Campeonato Paulista de Futebol, e não vale a pena, a essa altura da competição, ficar insistindo em criticá-lo. O fato é que 15 rodadas se passaram, e os quatro times grandes, como se previa no início da competição, chegaram às semifinais. 

E é justamente nesta hora que a competição pega fogo. Domingo tem Corinthians x Palmeiras às 16 horas em Itaquera, enquanto Santos x São Paulo jogam a outra semifinal na Vila Belmiro. Com toda certeza, serão dois jogos espetaculares, em que eu espero um bom futebol, com bom público e nenhuma violência entre os torcedores dentro e fora dos estádios.
E dos quatro times que ainda disputam o título, o Corinthians com 37 pontos ganhos na primeira fase, o Santos, com 34, são os mandantes das partidas, contra Palmeiras, que ficou com 31 pontos e o São Paulo, que obteve 32 pontos, respectivamente.  É justamente agora que o campeonato começa a ter graça, quando os clássicos decisivos acontecem; e a emoção e a rivalidade vem à tona.

É claro que o futebol é imprevisível e tudo pode acontecer num jogo de 90 minutos. Pelo fato de jogarem em casa, e possuírem melhor campanha, Santos e Corinthians levam vantagem. Mas se eu fosse resumir a história do Paulistão de 2015, mesmo com a lambança e a falta de organização da Federação Paulista; dentro do campo, a coisa seria mais ou menos assim:  o Palmeiras contratou bem, fará um bom Brasileirão, mas não tem como bater o Corinthians.  Já o São Paulo tem jogadores de nome, mas frouxos, e um presidente lunático, que pensa que o time é o Real Madrid, ou o Barcelona. O Santos tem a garotada, que vem jogando bem, e não se preocupa com o nome que tem, pode efetivamente surpreender. E o Corinthians tem o melhor time, e o melhor técnico do Brasil. Além da melhor campanha, é o favorito disparado. E você torcedor, responda: quem vai ganhar o Paulistão?
Por Ivan Marconato

Obrigado, Charles Miller!

Hoje é dia 14 de abril. Aparentemente, um dia comum aqui no Brasil. Mas não é não. Hoje faz exatamente 120 anos que foi realizada a primeira partida de futebol aqui na terra de Vera Cruz. Faz 120 anos que rolou o melão pela primeira vez no país do futebol. Era um domingo de outono, perto da várzea do Carmo, no centro de São Paulo. Foi lá que se iniciou a história da maior das nossas paixões: o futebol.

Charles Miller, com apenas 21 anos, reuniu alguns funcionários da São Paulo Railway e colocou pra rolar uma das duas bolas que trouxera da Inglaterra, junto com o livro de regras do esporte. Onze para um lado, onze para o outro e vamos que vamos. Não se sabe ao certo se o terreno era batido ou gramado, nem o lugar exato da histórica peleja, mas fato é que aqueles 22 heróis deveriam ter estátuas em tamanho real, se não em praça pública, ao menos no Museu do Futebol.

O futebol nos emociona, nos entristece e nos decepciona. O futebol é a vida em 90 minutos. Comédia e drama. Os dirigentes pilantras insistem em fazer mal aos nossos clubes e nós nos calamos. Pagamos R$200,00 num ingresso, R$170,00 numa camisa oficial, R$350,00 num pacote do Pay Per View. Apanhamos da polícia militar e também não nos incomodamos. O Estado maltrata. O clube maltrata. A televisão maltrata. E nós nunca deixamos de amar o futebol.

Como dizia o genial escritor uruguaio, Eduardo Galeano, que faleceu ontem pela manhã “a grande virtude do futebol é a capacidade de surpreender, de provocar assombro, de permitir o milagre, de saber que o impossível pode acontecer. É uma das atividades humanas mais imprevisíveis que existem. Daí o sucesso popular mundial.” Brilhante definição, Galeano!

Tenho certeza absoluta que Charles Miller não imaginava a importância daquele “joguinho” realizado em 1895. Aqueles descendentes de ingleses, irlandeses, inconscientemente transformaram a cultura do país. Hoje Brasil é sinônimo de futebol. Está enraizado nas nossas favelas. O presente preferido das crianças ainda é a bola.

Se passaram 120 anos e nós ainda somos o país do futebol! Apesar dos 7 x 1 que tomamos dia após dia. São 5 Copas do Mundo. Temos Pelé, Tostão, Zico, Sócrates, Neymar e muitos outros craques. Milhões de sorrisos pelo encontro da bola com a rede. O futebol é a melhor invenção da humanidade. Em algum lugar do paraíso, receba meu muito obrigado, Charles Miller!

Três Toques
1 – Santos
Hoje também é aniversário do Santos! São 103 anos de histórias e de glórias do alvinegro praiano. Parabéns Pelé, Pepe, Clodoaldo, Juari, Giovani, Robinho, Neymar e toda a nação santista! O time brasileiro mais conhecido do mundo está em festa!

2 – Libertadores
Acho que São Paulo e Corinthians vencem com tranquilidade seus jogos do meio da semana na Libertadores. Inclusive se eu fosse o Tite, colocaria o time reserva pra jogar quinta-feira contra o San Lorenzo e pouparia os titulares para o Derby de domingo. Já Cruzeiro e Internacional devem tropeçar na rodada.

2 – Cláudio Carsughi
Ontem, numa infeliz decisão de seu diretor Tutinha, a Rádio Jovem Pan demitiu o comentarista Claudio Carsughi. Especialista em automobilismo, profundo conhecedor de futebol, Carsughi não merecia passar por tamanho constrangimento, aos 82 anos de vida. Que o Tutinha reveja sua desastrosa decisão e que Carsughi volte ao rádio paulistano. Se não voltar, a Rede Contínua o receberá de braços abertos.


Victor Rodriguez é narrador e escreve todas às terças na Rede Contínua.

Com penalti polêmico, Juve vence Monaco

Jogando dentro de casa e com apoio da torcida, a Juventus não teve vida fácil nesta terça-feira, dia 14. Os líderes do Campeonato Italiano suaram para vencer o Monaco e garantirem uma vantagem nas quartas-de-final da Liga dos Campeões . Com um pênalti polêmico já na etapa final, os italianos venceram por 1 a 0 os franceses do Monaco.

Apesar do placar magro, a vantagem é importante para os italianos. Como não tomou gol dentro de casa, a Juventus agora precisa de apenas um empate na partida de volta para avançar à semifinal da competição continental. Não repetindo o resultado exato desta terça, que levaria para a prorrogação, a equipe comandada por Massimiliano Allegri pode até perder por um gol de diferença que segue no torneio. Os times voltam a se encontrar na próxima quarta-feira, dia 22, às 15h45, no Estádio Louis II, na França.

Primeiro tempo foi equilibrado, com chances claras de gol para ambos os times. Apesar de começar pressionando, foi a Juventus sofreu os primeiros sustos com os contra-ataques rápidos do Monaco. Ferreira-Carrasco teve duas oportunidadades logo no início, mas esbarrou na boa atuação de Buffon. Pelos italianos, Tevez e Vidal também tentaram, mas o argentino chutou fraco, enquanto o chileno mandou longe do gol.
As equipes voltaram dos vestiários com as mesmas propostas de jogo. Enquanto a Juventus valorizava a posse de bola e tentava infiltrar na zaga francesa, o Monaco apostava em contragolpes cirúrgicos. Foi assim que quase abriu o placar com menos de dez minutos da etapa final: Bernardo Silva, que entrou no intervalo, deu trabalho para Buffon, que espalmou para escanteio e provou por que foi considerado por muito tempo um dos melhores do mundo na posição.
O lance que definiu a partida foi polêmico. Após lançamento longo do campo de defesa, Morata foi atropolado pelo português Ricardo Carvalho e o árbitro marcou pênalti. Jogadores do Monaco reclamaram muito, não tanto pela infração marcada, mas alegaram que aconteceu fora da área. Vidal, que não tinha nada a ver com isso, bateu firme, no ângulo, sem chances para o goleiro Subasic. Com a vantagem, o técnico Massimiliano Allegri tirou Pirlo e colocou mais um zagueiro, fazendo o famoso catenaccio italiano, famoso sistema de marcação, que garantiu a vitória para os donos da casa.

Wagner comemora semana livre no Fluminense

Sem jogos no meio da semana, o Fluminense tem tempo para pensar só no jogo de sábado, dia 18, contra o Botafogo, no Maracanã, pela volta da semifinal do Campeonato Carioca. Tempo esse que anima Wagner.
Após a vitória na ida, o apoiador valoriza o período para focar na partida e recuperar quem estiver mais cansado ou voltando de qualquer problema físico.
"Vai ser uma semana boa de treinos. Dá para descansar quem estiver cansado, quem tiver de se preparar melhor vai ter esse tempo também. Ficamos em uma boa situação, começamos com o pé direito e esperamos permanecer bem na segunda partida", disse.
O Fluminense venceu o jogo de ida por 2 a 1 e pode empatar na volta para chegar à decisão do Carioca.