#futebolrc

    ...
... ... ... ... ...

Notícias

Rádios
Rádios
Rádios
Rádios

Em brilhante segundo tempo, Flamengo vence Bahia

O Flamengo subiu de produção na etapa final e goleou o Bahia por 4 a 1, em partida disputada na noite desta quinta-feira, na Ilha do Urubu. Com o resultado, o time rubro-negro chegou a 46 pontos ganhos, ultrapassou o Botafogo e agora ocupa a sexta colocação no Campeonato Brasileiro. O Bahia, que não perdia há quatro jogos, segue com 35 pontos na 13ª colocação. Réver e Diego foram os maiores responsáveis pela vitória. Eles marcaram dois gols, cada, e saíram muito festejados pela torcida. Mendoza, de pênalti, anotou o gol da equipe baiana. Na próxima rodada, o Flamengo vai enfrentar o São Paulo, no Pacaembu. O Bahia vai encarar o Vitória, na Fonte Nova.
Aos dez minutos, Berrio investiu pela direita e cruzou para Guerrero que chegou atrasado. A bola sobrou para Everton que arriscou o chute, mas mandou para fora.
O Flamengo continuava buscando o jogo pela direita onde Berrio tentava explorar o fato de o lateral Juninho Capixaba já ter sido advertido com o cartão amarelo. Aos 14 minutos, Guerrero arriscou de canhota e mandou para fora. O Bahia respondeu com uma boa jogada de Zé Rafael que aproveitou o espaço na defesa rubro-negra para concluir, mas mandou a bola para fora. Aos 23 minutos, a defesa do time carioca se atrapalhou e a bola ficou com Zé Rafael que chutou forte e Diego Alves fez boa defesa. O Flamengo só voltou a aparecer bem aos 28 minutos quando Trauco desarmou um adversário que lançou Diego. O meia chutou forte e Jean defendeu com segurança. Um minuto depois, o Bahia teve uma ótima chance para abrir o marcador. Vinicius recebeu livre de Mendoza, invadiu a área e chutou em cima de Diego Alves que voltou a salvar a sua equipe. Aos 33 minutos, o técnico Carpegiani foi obrigador a substituir Vinicius que se lesionou. Régis entrou em seu lugar. Os jogadores do time carioca mostravam grande irritação e Paolo Guerrero e Diego foram advertidos com o cartão amarelo por excesso de reclamação. Aos 49 minutos, no último lance importante do primeiro tempo, Régis bateu falta e Diego Alves saiu para socar a bola e afastar o perigo.
O Flamengo voltou para o segundo tempo com Éverton Ribeiro no lugar de Berrio.
Aos quatro minutos, o meia Diego recebe na área e manda a bomba. Jean espalmou para escanteio. Na cobrança, o time rubro-negro marcou o primeiro gol. Depois de confusão na área e toque de Guerrero, a bola sobrou para Réver chutar e colocar nas redes do Bahia. Aos 15 minutos, Guerrero chutou, mas mandou para fora. Para tentar aumentar a força ofensiva da sua equipe, o técnico Carpegiani colocou Hernane Brocador em campo na vaga de Edigar Junio, completamente apagado. Já o técnico Reinaldo Rueda foi obrigado a tirar Paolo Guerrero que estava se queixando de um problema na coxa esquerda. Lucas Paquetá entrou na vaga do peruano. Aos 23 minutos, o Bahia empatou. O argentino Allione fez ótima jogada e serviu Hernane na área. O Brocador foi derrubado por Juan e o árbitro marcou pênalti, convertido por Mendoza sem chances para o goleiro Diego Alves. Aos 31 minutos, o Flamengo desempatou, novamente com o zagueiro Réver. Após cobrança de escanteio, o zagueiro subiu mais do que a zaga baiana e testou sem chances para o goleiro Jean. A vantagem motivou o Flamengo que chegou ao terceiro gol aos 39 minutos. Após levantamento na área, o árbitro marcou toque de Lucas Fonseca dentro da área. Diego bateu com categoria e ampliou. O Bahia ainda sofreu o quarto gol, novamente com Diego. O experiente armador recebeu na área e tocou sem defesa para Jean. O técnico Reinaldo Rueda ainda tirou Diego antes do final para que o meia recebesse os justos aplausos da torcida.

FICHA TÉCNICA
FLAMENGO 4 X 1 BAHIA

Local: Ilha do Urubu, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 19 de outubro de 2017 (Quinta-feira)
Horário: 21h(de Brasília)
Árbitro: Marcelo Aparecido de Souza (SP)
Assistentes: Anderson José de Moraes Coelho (SP) e Alex Ang Ribeiro (SP)
Cartão Amarelo: Willian Arão, Paolo Guerrero, Diego, Éverton Ribeiro(Fla); Juninho Capixaba, Renê Júnior, Eduardo(Ba)
Público: 6.951 pagantes

GOLS:
FLAMENGO: Réver, aos cinco e 31 minutos do segundo tempo; Diego, aos 39 e 41 minutos do segundo tempo
BAHIA: Mendoza, aos 23 minutos do segundo tempo

FLAMENGO: Diego Alves, Pará, Réver, Juan e Miguel Trauco; Cuéllar, Willian Arão, Diego(Romulo) e Everton; Berrio(Éverton Ribeiro) e Paolo Guerrero(Lucas Paquetá)
Técnico: Reinaldo Rueda

BAHIA: Jean, Eduardo, Tiago, Lucas Fonseca e Juninho Capixaba; Renê Júnior e Edson; Zé Rafael(Allione), Mendoza e Vinícius(Régis); Edigar Junio(Hernane)
Técnico: Paulo César Carpegiani

Foto: Gilvan de Souza/CRF

Santos sai na frente, mas sofre empate do Sport

O Santos viu o Sport dominar as ações desde o início nesta quinta-feira, na Ilha do Retiro, até abriu o placar com Ricardo Oliveira, mas levou o empate no final do jogo. O empate não só manteve o alvinegro longe do líder Corinthians, como fez a equipe comandada por Levir Culpi cair para a quarta colocação, atrás de Palmeiras e Grêmio, que também estão com 50 pontos, mas vencem no número de vitórias. Já o Sport chegou aos 35 pontos e assumiu a 12ª colocação do Brasileiro. Na próxima rodada, o Leão encara o Atlético-PR, no domingo, às 17h (de Brasília), em Curitiba. No mesmo horário, o Santos recebe o lanterna Atlético-GO, na Vila Belmiro.
Com menos de um minuto, André arriscou de fora da área, a zaga do Santos tirou e armou contra-ataque com Lucas Lima, que lançou para Ricardo Oliveira. O atacante bateu firme com a perna esquerda, mas Magrão salvou. Dois minutos depois, o goleiro e o camisa 9 ficaram frente a frente de novo. Desta vez, porém, o santista levou a melhor. Após belo lançamento de Jean Mota, Oliveira ganhou na corrida de Durval e bateu mais uma vez de esquerda. A bola passou por baixo dos braços de Magrão e morreu no fundo da rede. Após abrir o placar, o Peixe recuou bastante e viu o Sport crescer na Ilha do Retiro. Aos 13, Osvaldo cobrou falta na área, Rithely desviou de cabeça, e Vanderlei fez grande defesa. Aos 34, porém, o empate quase veio após jogada individual de Diego Souza. O meia fez fila dentro da área e bateu rasteiro no canto esquerdo. Vanderlei se esticou todo e fez outra defesa belíssima. O Sport fez Vanderlei trabalhar bem mais uma vez, aos 44 minutos, quando André aproveitou vacilo de Lucas Veríssimo e só não empatou pois Vanderlei salvou com os pés.
Assim como no primeiro tempo, o jogo voltou do intervalo bem movimentado na Ilha. Com poucos segundos, Diego Souza mandou uma bomba de fora da área, assustando Vanderlei. O Santos respondeu aos 10 minutos, quando Lucas Lima lançou para Ricardo Oliveira. Porém, antes do centroavante chegar na bola, Magrão afastou com os pés. Aos 21, Diego Souza lançou para Osvaldo na área, Lucas Veríssimo cortou e a bola sobra para Juninho, que mandou pra fora. Aos 38 minutos, porém, o Sport conseguiu chegar ao merecido empate. Rogério tentou novo cruzamento na área, a bola enganou todo mundo e foi direto para o gol de Vanderlei. Em contra-ataque, o Peixe até chegou bem perto da vitória no final da partida. O único problema é que Kayke, na cara de Magrão, isolou a bola, decretando o empate.

FICHA TÉCNICA
SPORT 1 X 1 SANTOS

Local: Ilha do Retiro, em Recife (PE)
Data: 19 de outubro de 2017, quinta-feira
Horário: 21h (de Brasília)
Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva (PA/FIFA)
Assistentes: Fabiano da Silva Ramires (ES) e Jose Ricardo Guimaraes Coimbra (PA)
Cartões amarelos: SPORT: Wesley. SANTOS: Lucas Veríssimo, Yuri, Vecchio, Copete, Matheus Jesus.

GOLS:
SPORT: Rogério, aos 38 do 2T;
SANTOS: Ricardo Oliveira, aos três do 1T;

SPORT: Magrão; Raul Prata (Samuel Xavier), Ronaldo Alves, Henríquez e Sander; Rithely, Patrick, Wesley (Juninho), Diego Souza e Osvaldo (Rogério); André.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

SANTOS: Vanderlei; Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, David Braz e Zeca; Yuri (Vecchio), Matheus Jesus e Lucas Lima; Serginho (Copete), Jean Mota e Ricardo Oliveira (Kayke).
Técnico: Levir Culpi

Foto: Divulgação/Twitter

Vitória sofre nova derrota em casa, agora para o Atlético-PR

O Atlético Paranaense foi a Salvador e conseguiu um grande triunfo diante do Vitória, por 3 a 2, em pleno estádio Barradão. Com o resultado, o Furacão chega a 38 pontos e salta para a nona posição, enquanto o Leão, com 33 pontos ganhos, cai para a 16ª colocação. Na próxima rodada, o Vitória tem o clássico diante do Bahia, domingo, na Arena Fonte Nova, em Salvador. Já o Atlético Paranaense encara o Sport, no mesmo dia, na Arena da Baixada, em Curitiba.
O Furacão precisou de apenas três minutos para abrir a contagem, com Ribamar, que aproveitou cobrança de escanteio de Guilherme para testar firme para o fundo da rede. O Leão tentou responder com Ramon, na mesma moeda, aos seis minutos, mas a cabeçada saiu fraca, para fora. O Vitória tentava chegar pelas pontas, mas encontrava uma marcação forte. Aos 20 minutos, Fillipe Soutto cobrou falta e a bola subiu demais, sem perigo. Até que, aos 22 minutos, Jonathan derrubou Juninho e o árbitro marcou a penalidade. Na cobrança, Neílton deixou tudo igual no placar. O gol animou o time baiano, que sega no ataque. Aos 30 minutos, Wallace apareceu na área para testar e carimbou o travessão. O Furacão acordou e, aos 35 minutos, Jonathan soltou uma bomba para defesa de Caíque. Aos 37 minutos, foi a vez de Douglas Coutinho tentar e novamente o goleiro baiano defender. A resposta veio com Caíque Sá, que após troca de passes recebeu e chutou para boa intervenção de Weverton.
Para a segunda etapa, o Atlético voltou com Fabrício no lugar de Felipe Gedoz. Mas, quem chegou ao gol, foi o time da casa, com Tréllez, que aproveitou vacilo de Wanderson e cruzamento rasteiro de David para marcar. Aos 10 minutos, Tréllez fez a jogada e rolou para Neílton, que bateu forte, por cima do gol. Aos 13 minutos, David invadiu a área e, na hora do chute, resolveu dar um drible a mais e ficou sem a bola, desperdiçando uma boa chance. O Vitória se empolgou e também deixou espaço. Foi assim que, aos 20 minutos, Fabrício cruzou para Lucho servir Douglas Coutinho, que com um toquinho tirou do goleiro e empatou. Falta na entrada da área, aos 27 minutos, mas Rosseto carimbou a barreira. O jogo estava aberto e, em mais uma virada, aos 33 minutos, Guilherme fez o levantamento para Ribamar tocar de cabeça e fazer o segundo dele no jogo para garantir mais uma virada e a vitória atleticana.

FICHA TÉCNICA
VITÓRIA 2 X 3 ATLÉTICO-PR

Local: estádio Manoel Barradas, em Salvador (BA)
Data: 19 de outubro de 2017, quinta-feira
Horário: 20 horas (de Brasília)
Árbitro: Andre Luiz de Freitas Castro (GO)
Assistentes: Fabricio Vilarinho da Silva (Fifa-GO) e Cristhian Passos Sorence (GO)
Cartões amarelos : Lucho González e Ribamar (Atlético-PR)

Gols
VITÓRIA: Neílton, aos 24 minutos do primeiro tempo e Tréllez, aos 04 minutos do segundo tempo
ATLÉTICO-PR: Ribamar, aos 03 minutos do primeiro tempo; Douglas Coutinho, aos 20 minutos e Ribamar, aos 33 minutos do segundo tempo

VITÓRIA: Caíque; Caique Sá (Patric), Wallace, Ramon e Juninho; Uillian Correia, Fillipe Soutto (André Lima) e Yago; David, Neilton (Danilinho) e Tréllez.
Técnico: Vagner Mancini

ATLÉTICO-PR: Weverton; Jonathan, Wanderson, Thiago Heleno e Sidcley; Pavez (Lucas Fernandes), Lucho González (Matheus Rosseto); Guilherme, Felipe Gedoz (Fabrício) e Douglas Coutinho; Ribamar
Técnico: Fabiano Soares

Foto: Divulgação/CAP

Palmeiras vence Ponte com gol de Borja e volta de Arouca

O colombiano Miguel Borja encerrou um longo jejum de gols na noite desta quinta-feira, pelo Campeonato Brasileiro. O centroavante marcou o segundo do Palmeiras na vitória por 2 a 0 sobre a Ponte Preta, no Estádio do Pacaembu. Com 50 pontos, o Palmeiras espera pelo encerramento do confronto entre Santos e Sport para saber sua colocação final, mas ficará, pelo menos, no quarto lugar. Já a Ponte Preta segue com os mesmos 32 pontos e figura no 17º posto, o primeiro dentro da zona de rebaixamento.
Pela 30ª rodada do Campeonato Brasileiro, às 17 horas (de Brasília) deste domingo, o Palmeiras visita o Grêmio em um duelo direto na tabela de classificação. Às 19 horas do mesmo dia, a Ponte Preta pega o Avaí, também ameaçado pelo rebaixamento, no Estádio Moisés Lucarelli.
No primeiro tempo, com a zaga palmeirense desatenta, a Ponte Preta chegou a levar perigo em alguns contra-ataques. No melhor deles, após cruzamento da direita, Naldo chegou a matar no peito dentro da área, mas Fernando Prass conseguiu sair nos pés do adversário e ficou com a bola. O Palmeiras não demorou para responder no Pacaembu e deu trabalho ao experiente goleiro Aranha logo depois. Em jogada iniciada pela esquerda, o lateral Egídio cruzou para cabeçada de Moisés, espalmada pelo arqueiro da Ponte Preta no rumo da linha de fundo. O time mandante inaugurou o marcador aos 27 minutos. Willian recebeu pela esquerda e cruzou para Moisés. O meio-campista chutou para defesa de Aranha, mas Keno aproveitou o rebote para marcar. Ainda no primeiro tempo, Miguel Borja substituiu o lesionado Willian. Sem marcar desde o dia 21 de junho, data da vitória sobre o Atlético-GO, o colombiano finalmente encerrou seu jejum aos 27 minutos do segundo tempo. Após passe de Keno, Borja deu um chapéu no goleiro Aranha, cabeceou e ainda viu a bola tocar na trave antes de entrar.
O Palmeiras procurou valorizar mais a posse de bola durante a etapa complementar e não correu grandes riscos no campo de defesa. Na melhor chance da Ponte Preta, Felipe Saraiva cruzou do lado direito e Danilo Barcelos bateu para fora. O Palmeiras teve a oportunidade de ampliar no momento em que Dudu avançou pela esquerda e passou para Borja. O colombiano não conseguiu finalizar e tocou para cruzamento de Keno, afastado pela defesa. Nos minutos finais, Valentim ainda promoveu a volta de Arouca no lugar de Tchê Tchê e trocou Moisés por Felipe Melo.

FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS 2 x 0 PONTE PRETA

Data: 19 de outubro de 2017, quinta-feira
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo-SP
Horário: 20 horas (de Brasília)
Árbitro: Leandro Bizzio Marinho
Assistentes: Miguel Cataneo Ribeiro da Costa e Gustavo Rodrigues de Oliveira
Cartões amarelos: Elton, Marllon, Jeferson (PON)
Gols:
PALMEIRAS: Keno, aos 27 minutos do 1º Tempo, e Borja, aos 27 minutos do 2º Tempo

PALMEIRAS: Fernando Prass; Mayke, Edu Dracena, Juninho e Egídio; Bruno Henrique, Tchê Tchê (Arouca) e Moisés (Felipe Melo); Keno, Dudu e Willian (Borja)
Técnico: Alberto Valentim

PONTE PRETA: Aranha; Nino Paraíba, Marllon, Rodrigo e Jeferson; Elton (Jadson), Naldo, Jean Patrick (Felipe Saraiva), e Danilo; Claudinho (Renato Cajá) e Lucca
Técnico: Eduardo Baptista

Foto: Divulgação/Twitter

Almanaque do JEC: José Carlos Carboni

José Carlos Carboni, o José Carlos Fantini Carboni, um dos mais competentes jornalistas esportivos do Brasil em todos os tempos, morreu no dia 16 de outubro de 2017, aos 68 anos, em São Paulo, vítima de infarto. Filho do saudoso casal dona Minalda e Hugo Carboni, que também foi jornalista, Carboni sempre militou na "Grande Imprensa".
Foi diretor de redação de "A Gazeta Esportiva", chefe da divisão de jornalismo esportivo da Rádio Jovem Pan-AM por quase 20 anos, e também passou pela TV Cultura, de São Paulo. Foi durante muitos anos peça-chave do Grupo Bandeirantes de Rádio e braço direito do CEO Mário Baccei. Em 2004, assumiu o comando da Rádio Bandeirantes AM 840 e FM 90,9, onde ocupou o cargo de diretor de jornalismo até fevereiro de 2017. Psicólogo diplomado, pai da linda Tatiana, José Carlos Carboni foi nome consagrado e premiado no jornalismo brasileiro, esportivo ou não.
A missa de sétimo dia do jornalista José Carlos Carboni será realizada no próximo domingo (22), às 12h, na Igreja São Pedro e São Paulo. Esta paróquia fica na rua Circular do Bosque, 31, no Jardim Guedala, zona sul da capital paulista.
Fonte: Site Terceiro Tempo

9 times que disputam campeonatos fora dos seus países

Extra Futy: Imaginem Palmeiras e Corinthians disputando o Campeonato Argentino, Internacional e Grêmio medindo forças com Peñarol e Nacional no Uruguaio ou mesmo Atlético-MG e Cruzeiro se arriscando no Paraguaio. Por mais pitorescas que pareçam, situações como essas não têm nada de ilegal e nem são proibidas pelo regulamento da Fifa. Pelo contrário, são mais comuns do que você pode imaginar. Dezenas e dezenas de clubes espalhados ao redor do planeta disputam atualmente campeonatos nacionais de países que não são os seus. E alguns deles, você certamente conhece.
Apontamos abaixo nove casos de times de futebol que competem em ligas nacionais estrangeiras.

MONACO

Para o mundo do futebol, o semifinalista da Liga dos Campeões da Europa é um clube francês. No entanto, Monaco é um país independente da França, governado pelo príncipe Albert 2º e com cerca de 38 mil habitantes. Com uma população tão pequena, a micronação não tem condições de organizar um campeonato nacional de futebol minimamente decente e sequer possui uma seleção reconhecida pela Fifa. Por isso, o clube que leva o nome do país disputa desde 1933 o Campeonato Francês e tem, inclusive, direto de representar a França em competição internacionais.

SWANSEA CITY

Integrante da primeira divisão inglesa desde 2011 e campeão da Copa da Liga Inglesa em 2013, o Swansea é de País de Gales, território que faz parte do Reino Unido, mas que, no futebol, é independente da Inglaterra. O clube compete na liga vizinha porque se profissionalizou antes de existir futebol profissional em sua terra natal. Até 1995, o Swansea também jogava a Copa de Gales. A participação dos “ingleses”, no entanto, foi proibida posteriormente.

CARDIFF CITY

Outro dos seis clubes galeses que atualmente disputam as ligas profissionais ou semiprofissionais da Inglaterra, o Cardiff encontra-se atualmente na segunda divisão inglesa, mas passou pela Premier League em 2013/14. Curiosamente, seu elenco é muito mais inglês que galês. São apenas dois jogadores do país onde está sediado, contra 14 representantes da nação vizinha.

VADUZ

O lanterna do Campeonato Suíço é o único clube profissional de futebol de Liechtenstein, principado de 37 mil habitantes que faz fronteira com Áustria e Suíça. Apesar de disputar a liga do vizinho, o Vaduz também joga contra times amadores na Copa de Liechtenstein e venceu 18 das últimas 19 edições da competição.

SAN MARINO

Outro exemplo de time de um micropaís (San Marino tem 33 mil habitantes) que optou por fazer parte de uma liga mais forte. A equipe da cidade de Serravalle disputa hoje a quarta divisão italiana, mas já chegou até mesmo a jogar a segundona. O clube não participa do Campeonato de San Marino, que define o representante do país nas competições europeias.

WELLINGTON PHOENIX

Apesar de já ter disputado duas Copas do Mundo, a última em 2010, a Nova Zelândia não conta com uma liga profissional de futebol. É por isso que o Wellington Phoenix optou desde sua fundação, em 2007, por disputar a A-League, o campeonato da Austrália. A decisão faz com que o clube não apenas participe de uma liga de um país que não é o seu, como também faça parte de uma confederação diferente daquela onde está a Nova Zelândia –apesar de estar localizada na Oceania, a Austrália é filiada à Confederação Asiática de Futebol.

TORONTO FC

o atual vice-campeão da Major League Soccer, a principal liga profissional do futebol dos Estados Unidos, não vem dos EUA, mas sim do Canadá. O Toronto FC disputa a MLS desde 2007 e dá sequência a uma tradição de franquias canadenses disputando ligas norte-americanas de diferentes esportes. A cidade de Toronto também tem representantes na MLB (beisebol), na NBA (basquete), na NHL (hóquei sobre o gelo) e na NLL (lacrosse).

VANCOUVER WHITECAPS

Fundado em 1974, estreou na MLS em 2012. Assim como os outros times do Canadá que disputam ligas profissionais no Estados Unidos, o Vancouver Whitecaps também joga anualmente o Campeonato Canadense, que define o representante do país na Concachapions. A equipe foi campeã em 2015 e acumula seis vices.

MONTRÉAL IMPACT

Caçula entre os times canadenses que disputam a MLS, a franquia foi fundada em 2010 e foi vice-campeã da Concachampions em 2015. É o único dos times da Major League Soccer que não tem o inglês como língua oficial, mas sim o francês, já que Montréal fica em uma região do Canadá que foi colonizada pela França.

Fonte: Blog de Rafael Reis, no UOL

Botafogo empata no fim diante do Avaí na Ressacada

O Botafogo conseguiu um empate heróico na na noite desta quarta-feira, na Ressacada. A torcida do Avaí já comemorava a quebra do jejum de vitórias quando o Alvinegro carioca empatou nos acréscimos. O Avaí, que não vence há seis jogos, agora soma 31 pontos, mas segue na penúltima colocação. O Botafogo chegou aos 44 pontos e ocupa a sexta colocação, mas pode ser superado na classificação do Campeonato Brasileiro, caso o Flamengo derrote o Bahia, nesta quinta-feira. Na próxima rodada, o Avaí vai visitar a Ponte Preta, em Campinas. O Botafogo vai receber o Corinthians, no Engenhão.
O Avaí começou no ataque e,antes do primeiro minuto, criou uma situação de gol. João Paulo entrou nas costas de Arnaldo e cruzou, mas Bruno Silva conseguiu aliviar o perigo. Aos 11 minutos, Júnior Dutra ganhou de Victor Luis na corrida e cruzou fechado, mas Gatito Fernandez ficou com a bola. Escalado com três atacantes, o Avaí tentava marcar a saída de bola da equipe carioca, mas o Botafogo saía da defesa com toques rápidos e utilizando os laterais Arnaldo e Victor Luis, mas não conseguia fazer a bola chegar aos atacantes Brenner e Rodrigo Pimpão. Aos 22 minutos, João Paulo investiu pela esquerda e cruzou para a entrada de Júnior Dutra, mas Victor Luis, de cabeça, desviou para escanteio. Aos 30 minutos foi a vez de Joel tentar a cabeçada, após o cruzamento da direita, mas a bola saiu sem força e direção. Aos 37 minutos, Bruno Silva fez boa jogada pela direita e cruzou. A bola desviou na zaga e quase enganou o goleiro Douglas, mas o jogador do Avaí ficou com a bola. Dois minutos depois, Victor Luis tabelou com Pimpão e tocou na pequena área, mas ninguém apareceu para concluir a jogada.
O time da casa só reapareceu no ataque aos 44 minutos em chute de Pedro Castro que passou longe da trave defendida por Gatito Fernandes.
O Avaí voltou para o segundo tempo com o experiente meia Marquinhos no lugar do atacante Joel. No Botafogo, Matheus Fernandes saiu para a entrada de Marcos Vinicius. Aos quatro minutos, em cobrança de escanteio, Marquinhos quase marcou um gol olímpíco, mas Gatito Fernandes conseguiu desviar a bola para escanteio. Aos seis minutos, Gatito Fernandes evitou o gol catarinense ao defender um chute cruzado de Romulo. Logo depois, o goleiro alvinegro voltou a brilhar ao defender a cabeçada de Júnior Dutra. O Avaí voltou a criar outro momento de perigo aos dez minutos, quando João Paulo cruzou na pequena área e Marquinhos cabeceou para nova defesa de Gatito Fernández. O time carioca só apareceu na área catarinense aos 12 minutos em chute cruzado de Bruno Silva que o goleiro Douglas desviou com a ponta dos dedos. Aos 20 minutos, o Avaí marcou o primeiro gol. Após cobrança de escanteio, Rodrigo Pimpão subiu com o braço para o alto e resvalou na bola. O árbitro marcou pênalti que Marquinhos converteu com grande categoria. Marquinhos chegou aos 57 gols na Ressacada e igualou marca histórica de Décio Antônio. Logo depois, o goleiro do Botafogo voltou a salvar sua equipe com duas defesas consecutivas. O paraguaio bloqueou a avançada de Júnior Dutra que entrou livre na área. A sobra ficou com com Romulo que chutou para nova defesa de Gatito. Só aos 39 minutos é que Rodrigo Lindoso recebeu na área e tentou encobrir o goleiro Douglas, mas a bola se chocou com o travessão. Quando tudo parecia perdido, o time carioca chegou ao empate com Marcos Vinicius que encheu o pé e deixou tudo igual.

FICHA TÉCNICA
AVAÍ 1 X 1 BOTAFOGO

Local: Estádio Ressacada, em Florianópolis (SC)
Data: 18 de outubro de 2018 (Quarta-feira)
Horário: 21h45(de Brasília)
Árbitro: Rafael Traci (PR)
Assistentes: Ivan Carlos Bohn (PR) e Luciano Roggenbaum (PR)
Cartões amarelos: Romulo, Leandro Silva(Av); Matheus Fernandes, Marcos Vinicius, Igor Rabello(Bota)
Público: 5.156 pagantes

GOLS:
AVAÍ: Marquinhos, aos 20 minutos do segundo tempo
BOTAFOGO: Marcos Vinicius aos 50 minutos do segundo tempo

AVAÍ: Douglas, Leandro Silva, Alemão, Betão e João Paulo; Luan Pereira(Capa), Judson e Pedro Castro(Simeão); Joel(Marquinhos), Romulo e Júnior Dutra
Técnico: Claudinei Oliveira

BOTAFOGO: Gatito Fernández, Arnaldo, Marcelo, Igor Rabello e Víctor Luís; Rodrigo Lindoso, Matheus Fernandes(Marcos Vinicius), Bruno Silva e João Paulo; Rodrigo Pimpão(Guilherme) e Brenner(Vinicius Tanque)
Técnico: Jair Ventura

Foto: Divulgação/Twitter