#futebolrc

    ...
... ... ... ... ...

Notícias

Rádios
Rádios
Rádios
Rádios

Com Rodriguinho e Jô expulsos, Corinthians está eliminado da Sul-Americana

O Corinthians, na noite desta quarta-feira,  não foi além de um 0 a 0 com o Racing, no Cilindro de Avellaneda, e acabou eliminado da Copa Sul-Americana. O jogo de ida também havia terminado empatado, mas por 1 a 1. O Corinthians foi à Argentina sem o lateral esquerdo Guilherme Arana e ainda deixou os meio-campistas Rodriguinho e Maycon no banco de reservas. O armador entrou em campo no segundo tempo, no lugar de Jadson, e levou o cartão vermelho quase em seguida por uma falta dura em Pulpo González. Nos acréscimos, o centroavante Jô também foi expulso. Eles terão um compromisso importante pelo Brasileiro já na manhã de domingo, o clássico contra o São Paulo, no Morumbi. Por sua vez, o Racing enfrentará o paraguaio Libertad, que superou o Independiente Santa Fe, nas quartas de final da Copa Sul-Americana.
O Corinthians tomou a iniciativa de atacar o Racing já nos primeiros minutos. Do outro lado, o time argentino não se incomodava em deixar a bola com o adversário, criando um congestionamento com a sua linha de cinco defensores. Romero, o atacante paraguaio era o corintiano mais caçado no Cilindro. Chegou a ter o seu meião rasgado em uma dividida. Irritadiço, também cometeu algumas faltas mais duras, estranhando-se com o atacante Lisandro López. Aos 35 minutos, aproveitando um lançamento de Lisandro López, Triverio se livrou bem de Pablo dentro da área, mas acabou travado pelo zagueiro na hora da finalização.
Para não correr novos riscos no segundo tempo e ser mais agressivo, o Corinthians tomou a iniciativa de começar a conversar já no gramado, ao término do primeiro tempo. Voltou do vestiário para lá sem substituições, mas com Marquinhos Gabriel na ponta direita e Romero na esquerda. A mudança não tornou o Corinthians mais envolvente. Para piorar, o time brasileiro errava muitos passes, contribuindo com a estratégia do Racing de fazer o tempo passar. A equipe argentina girava a bola em seu campo de defesa e, mesmo quando tinha espaços, evitava acelerar o jogo em direção ao ataque. Carille tirou Jadson para a entrada de Rodriguinho, um dos seus titulares preservados por desgaste físico. O meia nem sequer suou. Aos 20 minutos, três depois da substituição, ele ergueu a sola do pé para acertar Pulpo González e foi punido com o cartão vermelho. Carille, que apostou no contestado Giovanni Augusto na vaga de Romero para reanimar o apático ataque do Corinthians, se frustrou. A última ficha foi Kazim, substituto de Marciel. Nos acréscimos, em vez do gol, o time visitante acumulou mais um cartão vermelho – para Jô, que levou o segundo amarelo por falta em Solari.

FICHA TÉCNICA
RACING 0 X 0 CORINTHIANS

Local: Estádio El Cilindro, em Avellaneda (Argentina)
Data: 20 de setembro de 2017, quarta-feira
Horário: 21h45 (de Brasília)
Árbitro: Leodan González (Uruguai)
Assistentes: Mauricio Espinosa e Nicolas Taran (ambos do Uruguai)
Cartões amarelos: Barbieri, Grimi e Pulpo González (Racing); Jô, Gabriel e Marquinhos Gabriel (Corinthians)
Cartões vermelhos: Rodriguinho e Jô (Corinthians)

RACING: Gastón Gómez; Solari (Pillud), Vittor, Barbieri, Grimi e Soto; Arévalo Ríos, Pulpo González e Zaracho (Meli); Lisandro López e Triverio
Técnico: Diego Cocca

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Balbuena, Pablo e Marciel (Kazim); Gabriel, Camacho, Romero (Giovanni Augusto), Jadson (Rodriguinho) e Marquinhos Gabriel; Jô
Técnico: Fábio Carille

Foto: JUAN MABROMATA/AFP

Grêmio vence Botafogo com gol de Barrios e é Semifinalista da Libertadores

O Grêmio, no choque entre brasileiros, venceu o Botafogo por 1 a 0 e está nas quartas de final da Copa Libertadores da América. O único gol da partida foi marcado por Lucas Barrios. Como o primeiro duelo terminou empatado sem gols, o time gaúcho garantiu a classificação para as semifinais do torneio. Com os todos os ingressos vendidos para o duelo, mais 50 mil pessoas acompanharam o confronto na Arena.
Utilizando a braçadeira de capitão, o zagueiro Pedro Geromel começou como titular e o garoto Luan no banco de reservas. Ainda no vestiário, o meia-atacante fez testes para saber se teria condições de atuar. A Comissão Técnica achou melhor preservar o atleta, contudo, o camisa 7 gremista pediu para ficar à disposição e entrou como alternativa para o decorrer do jogo. Assim, o lateral direito Léo Moura foi mais uma vez improvisado na posição. No Botafogo, o técnico Jair Ventura confirmou a equipe com retornos. Na lateral esquerda, Víctor Luís, que não atuou no primeiro duelo, pois estava suspenso pelo terceiro cartão, retomou a posição e Gilson foi suplente. No meio campo, Rodrigo Lindoso voltou para o time. Com isso, o chileno Leonardo Valencia foi ao banco de reservas.
A primeira oportunidade foi do Grêmio aos quatro minutos. O lateral esquerdo Bruno Cortez recebeu perto da área e concluiu com força. A bola passou com perigo próxima à trave de defesa do goleiro Gatito. O Botafogo respondeu aos 8 minutos. Após cobrança de escanteio, iniciou um bate-rebate dentro da área gremista. No lance, Bruno Silva tentou de calcanhar e Marcelo Grohe espalmou. Na sobra, o zagueiro Igor Rabello concluiu, mas a bola desviou na zaga adversária e saiu pela linha de fundo. Em ataque do Botafogo, Lindoso sofreu falta na entrada da área após o zagueiro Pedro Geromel entrar no lance com o pé alto demais. Na cobrança, de dois toques, João Paulo acertou a barreira gremista. Em ótima oportunidade, o Grêmio acertou o travessão adversário. Bruno Cortez cobrou um lateral lançando para a área, o atacante Lucas Barrios deu um desvio na bola, que sobrou para Fernandinho encher o pé. A redonda explodiu no travessão. Aos 23 minutos, Kannemann errou o passe e Pimpão arrancou pela esquerda. O meia botafoguense entortou o zagueiro gremista, que caiu ao chão, e chutou forte no gol. Marcelo Grohe defendeu em dois tempos. Um minuto depois, Bruno Silva carregou pelo meio campo e arriscou uma bomba. A bola acertou a trave esquerda defendida pelo goleiro gremista.
O técnico Renato mexeu na equipe ainda na primeira etapa. O treinador tirou o improvisado Léo Moura e colocou o meia-atacante Everton na posição. Com a troca, Fernandinho passou a jogar no lado direito e Everton na esquerda.
A segunda etapa começou movimentada. Em cobrança de falta, Fernandinho ergueu a bola na área e o volante Michel subiu cabeceando. A redonda ia entrando no ângulo, mas o goleiro Gatito Fernández fez bela defesa, dando um toquinho na redonda, que ainda resvalou no travessão antes de sair pela linha de fundo. Em cobrança de falta, Edílson colocou a bola na segunda trave, o atacante Lucas Barrios ganhou a dividida com o Matheus Fernandes e cabeceou para o fundo do gol. Aos 21 minutos, o Botafogo teve boa oportunidade de empatar com uma falta na entrada da área. João Paulo cobrou com uma perfeição, mas a bola desviou na barreira e passou por cima do travessão. Com a vantagem no placar, Renato apostou na marcação. O treinador tirou Lucas Barrios e colocou o volante Jailson. Do outro lado, Jair Ventura tirou o volante João Paulo e colocou o atacante Brenner, para o time buscar mais o ataque. Assim, começou uma pressão enorme do Botafogo até o final da partida. Mas sem resultado.

FICHA TÉCNICA
GRÊMIO 1 X 0 BOTAFOGO

Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS)
Data: 20 de setembro de 2017 (Quarta-feira)
Horário: 21h45 (de Brasília)
Árbitro: Patricio Lostau (Argentina)
Assistentes: Juan Belatti (Argentina) e Ezequiel Brailovsky (Argentina)
Público: 50.517 (47.584 pagantes)
Renda: R$ 2.341.147,00
Cartões amarelos: GRÊMIO: Pedro Geromel, Walter Kannemann, Bruno Cortez, Edílson. BOTAFOGO: Igor Rabello, João Paulo, Rodrigo Lindoso, Roger

GOL:
GRÊMIO: Lucas Barrios, aos 17 minutos do segundo tempo

GRÊMIO: Marcelo Grohe, Edílson, Pedro Geromel, Walter Kannemann e Bruno Cortez; Arthur, Michel, Ramiro (Luan), Léo Moura (Everton) e Fernandinho; Lucas Barrios (Jailson)
Técnico: Renato Gaúcho

BOTAFOGO: Gatito Fernández, Arnaldo, Joel Carli, Igor Rabello e Víctor Luís; Bruno Silva, Rodrigo Lindoso, Matheus Fernandes (Leonardo Valencia), João Paulo (Brenner) e Rodrigo Pimpão (Guilherme); Roger
Técnico: Jair Ventura

Foto: Divulgação/ Twitter

Santos é derrotado pelo Barcelona na Vila e adia o sonho do Tetra da Libertadores

Mesmo jogando em casa e com a vantagem do empate sem gols, o Santos foi dominado pelo Barcelona de Guaiaquil. O desfecho foi triste para os mais de 12 mil presentes em Urbano Caldeira. Aos 22 minutos do segundo tempo, Jonatan Álvez fez 1 a 0 para o time equatoriano, que saiu da Baixada Santista com a classificação. Fora da competição continental, os santistas concentram-se apenas no Campeonato Brasileiro no restante da temporada. No próximo sábado, às 21h (de Brasília), o alvinegro recebe o Atlético-PR, na Vila, pela 25ª rodada.
Explorando a velocidade de Daniel Guedes, o Peixe chegou duas vezes pelo lado direito antes dos 5 minutos, mas não conseguiu concluir em gol. O Barcelona, por sua vez, chegou pela primeira vez aos 11, quando Esterilla desviou cruzamento de Velasco. A cabeçada, porém, passou longe do gol de Vanderlei. Com Alison e Leandro Donizete no meio de campo, o Santos optou por fazer um jogo mais de marcação, ‘deixando a bola’ nos pés do time equatoriano, que pressionou muito. Aos 14, Oyola arriscou de longe e Vanderlei salvou. Na cobrança de escanteio, a redonda passou dentro da pequena área e ninguém desviou. O Peixe quase abriu o placar aos 18 minutos, quando David Braz desviou cobrança de falta e cabeceou no travessão. Aos 28, Caicedo recebeu bola na área e soltou uma bomba por cima do gol.
Após o intervalo, a equipe equatoriana não conseguia furar a forte marcação santista e acabava arriscando de longe. Aos 12 minutos, após cruzamento rasteiro de Ayovi, Caicedo apareceu livre na área e bateu forte. A bola, porém, explodiu na zaga. No rebote, Oyola mandou por cima do gol. A pressão equatoriana surtiu efeito aos 22 minutos, quando Castillo cruzou na área e Jonatan Álvez apareceu livre entre os zagueiros para desviar de cabeça e abrir o placar na Vila. Após o tento, os papeis se inverteram dentro de campo. Vencendo, o Barcelona se posicionou totalmente atrás, enquanto o Peixe foi em busca do empate. Mesmo com um a mais dentro de campo, já que Jonatan Álvez foi expulso, de forma injusta aos 25, a equipe comandada por Levir Culpi não conseguiu assustar o goleiro Banguera. Os minutos foram passando, o time equatoriano ‘esfriou’ o jogo e a torcida, e o Santos não conseguiu fazer o gol que levaria a decisão para os pênaltis. Ainda teve tempo para Bruno Henrique e Gabriel Marques serem expulsos, além de uma chance clara perdida pelo time da Vila Belmiro no último lance, quando Banguela falhou e Lucas Veríssimo falhou com o gol aberto.

FICHA TÉCNICA
SANTOS 0 X 1 BARCELONA DE GUAIAQUIL

Local: Vila Belmiro, em Santos (SP)
Data: 20 de setembro de 2017, quarta-feira
Horário: 21h45 (de Brasília)
Árbitro: Victor Carrillo (PER)
Assistentes: Raul Lopez Cruz (PER) e Victor Raez (PER)
Público: 12.730
Renda: R$ 766.160,00,00
Cartões amarelos: SANTOS: Daniel Guedes, Bruno Henrique. BARCELONA: Beder Caicedo, Marcos Caicedo, Jonatan Álvez.
Cartões vermelhos: BARCELONA: Jonatan Álvez e Gabriel Marques. SANTOS: Bruno Henrique.

GOL:
BARCELONA DE GUAIAQUIL: Jonatan Álvez, aos 21 do 2T;

SANTOS: Vanderlei; Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, David Braz e Zeca; Alison (Fabián Noguera), Leandro Donizete (Kayke) e Vecchio (Jean Mota); Copete, Bruno Henrique e Ricardo Oliveira.
Técnico: Levir Culpi

BARCELONA DE GUAIAQUIL: Banguera; Pedro Velasco, Aimar, Arreaga e Beder Caicedo; Gabriel Marques, Matías Oyola e Damián Díaz (Castillo); Esterilla (Ayovi), Marcos Caicedo (Erick) e Jonatan Álvez.
Técnico: Guillermo Almada

Foto: Djalma Vassão

Flamengo aplica goleada sobre a Chapecoense e se classifica as Quartas

O Flamengo venceu por 4 a 0 a Chapecoense, nesta quarta-feira, e se classificou para as quartas de final da Copa Sul-Americana. Os rubro-negros esperam seu adversário que sai do confronto entre Fluminense e LDU, do Equador, que jogam nesta quinta, em Quito. Os tricolores venceram o duelo de ida pelo placar mínimo.
Aos seis minutos, os rubro-negros abriram o placar na primeira chance criada. Guerrero foi lançado na área e dividiu com Jandrei. A bola sobrou para Cuéllar, que só teve o trabalho de tocar para a rede. Os jogadores da Chapecoense reclamaram que o atacante rubro-negro estaria em impedimento no momento do lançamento. Só que, no meio do caminho, o replay mostrou um desvio de Douglas Grolli. Com isso, Guerrero passou a ter condição de jogo. Quem bancou a marcação e validou o gol carioca foi o árbitro Michael Espinoza. Aos 21, Guerrero driblou Douglas Grolli e cruzou para William Arão na pequena área. O volante tocou sem dificuldade para a rede.
No segundo tempo, a Chapecoense voltou melhor e quase marcou logo com um minuto. Penilla novamente recebeu passe na área e chutou para boa defesa de Diego Alves. O susto fez o Flamengo melhorar a marcação. Com isso, os donos da casa passaram a controlar a partida novamente e chegaram ao terceiro gol aos 17 minutos. Após falta cobrada na área, Guerrero cabeceou, Jandrei deu rebote no pé de Juan. O zagueiro chutou, a bola bateu no goleiro e na trave antes de ir para a rede. O Flamengo ainda criou algumas chances e chegou ao quatro com gol, com Lucas Paquetá, aos 43 minutos, para dar números finais na Ilha do Urubu.

FICHA TÉCNICA
FLAMENGO 4 X 0 CHAPECOENSE

Local: Ilha do Urubu, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 20 de setembro de 2018 (Quarta-feira)
Horário: 19h15 (de Brasília)
Árbitro: Michael Espinoza (Peru)
Assistentes: Stephen Atoche (Peru) e Michael Orue (Peru)
Público: 10.600 pagantes
Renda: R$ 460.758,00
Cartões amarelos: Éverton Ribeiro e Diego (Flamengo); Apodi e Wellington Paulista (Chapecoense)
GOLS
FLAMENGO: Cuéllar, aos 6min do primeiro tempo; William Arão, aos 21min do primeiro tempo; Juan, aos 17min do segundo tempo; Lucas Paquetá, aos 43min do segundo tempo

FLAMENGO: Diego Alves, Pará, Réver, Juan e Miguel Trauco; Gustavo Cuéllar, Willian Arão, Diego (Vinícius Júnior) e Éverton Ribeiro; Orlando Berrío (Gabriel) e Paolo Guerrero (Lucas Paquetá)
Técnico: Reinaldo Rueda

CHAPECOENSE: Jandrei, Apodi, Douglas Grolli, Fabrício Bruno e Diego Renan; Moisés Ribeiro (Luiz Antônio), Lucas Mineiro e Lucas Marques; Arthur Caíque (Alan Ruschel), Wellington Paulista e Cristian Penilla (Julio Cesar)
Técnico: Emerson Cris

Foto: Gilvan de Souza/Flamengo

Ponte-Preta vence Sport, mas no agregado Leão fica com a vaga nas Quartas

A Ponte Preta venceu o Sport por 1 a 0, nesta quarta-feira, pela partida de volta das oitavas de final da Copa Sul-Americana. O gol de Lucca não serviu para classificar a Macaca, que havia perdido na ida por 3 a 1 na Ilha do Retiro. Pelo lado da Ponte, o técnico Eduardo Baptista, anunciado nesta quarta, terá apenas o Brasileiro como objetivo neste fim de temporada. Nas quartas de final, o Leão da Ilha encara os colombianos do Junior Barranquilla. O primeiro duelo, ainda sem data confirmada, será no Brasil, enquanto a decisão acontece na Colômbia.
Na primeira chance, os campineiros conseguiram o gol. Aos 16, Renato Cajá bateu falta direto, mas no meio do caminho a bola parou no pé de Lucca. O atacante, com tranquilidade, tirou de Magrão para abrir o placar. Aos 27, Lenis tentou cruzar e carimbou o travessão de João Carlos, substituto do lesionado Aranha. Aos 34, o lateral Nino Paraíba levou o segundo amarelo, deixando o time com um a menos. Ainda antes do intervalo, Léo Gamalho teve chance de ampliar, mas parou em Magrão.
Na segunda etapa, a Ponte não conseguiu aplicar pressão em cima dos rivais. O Sport, jogando com a vantagem, administrava a posse, sem criar chances, o que deixou a partida morna. Aos 39, Thomás teve chance clara, mas sua finalização foi travada. Quatro minutos depois, Anselmo arrematou de longe, e João Carlos salvou. A última e grande oportunidade da Ponte veio já nos acréscimos. A defesa pernambucana bobeou e Léo Gamalho ficou livre para chutar. O goleiro Magrão fez excelente intervenção, garantindo a vaga.

FICHA TÉCNICA
PONTE PRETA 1 x 0 SPORT

Local: Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas (SP)
Data: 20 de setembro de 2017, quarta-feira
Horário: 19h15 (de Brasília)
Árbitro: Roddy Zambrano (Equador)
Assistentes: Byron Romero (Equador) e Juan Carlos Macias (Equador)
Público: 3.890 pessoas
Renda: R$ 43.700,00
Cartões amarelos: Saraiva, Nino Paraíba, Léo Gamalho, Claudinho (Ponte Preta), Sander, Thomás, Lenis, Patrick (Sport)
Cartão vermelho: Nino Paraíba (Ponte Preta)
Gols: PONTE PRETA: Lucca, aos 16 minutos do primeiro tempo

PONTE PRETA: João Carlos; Nino Paraíba, Marllon, Luan Peres e Danilo; Naldo (Wendel) e Elton; Renato Cajá (Claudinho), Saraiva (Jeferson) e Lucca; Léo Gamalho
Técnico: João Brigatti

SPORT: Magrão; Raul Prata, Ronaldo Alves, Henríquez e Sander (Thomás); Rithely e Patrick (Anselmo); Lenis (Rogério), Diego Souza e Mena; André
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

Foto: Divulgação/ Twitter

Canetadas: Os bastidores da negativa de Vadão e do acerto com Eduardo Baptista

Quando da demissão de Gilson Kleina do comando da Ponte-Preta, o principal nome vindo da torcida e da imprensa para assumir o comando da Macaca veio de Vadão, recém demitido com requintes de ingratidão do rival Guarani. Mas não foi o procurado em primeiro plano por Gustavo Bueno, diretor de futebol do clube. O contato inicial foi com Eduardo Baptista, que em novembro de 2016 deixou o alvi-negro de Campinas para assumir o milionário Palmeiras. Mas mesmo com os 66% de aproveitamento, o treineiro foi demitido, diante das expectativas que não pareciam se cumprir da conquista de títulos, com uma eliminação inclusive para a Ponte-Preta em um 3 a 0 em pleno Majestoso. Com passagem curta e de 46% de aproveitamento pelo Atlético Paranaense, a saída ocorreu menos de dois meses após a chegada por conflitos com dirigentes. Então surgiu a promessa de que não trabalharia mais até o final da temporada, buscando uma reciclagem na Europa. A palavra foi mantida mesmo com o primeiro contato de Gustavo Bueno. Baptista, que reside em Campinas manteve a palavra que não voltaria a trabalhar mais esse ano.
Então o diretor pontepretano foi a procura de Osvaldo Alvarez, com história no clube e de bom relacionamento com a atual diretoria. Sem clube, Vadão pediu apenas alguns dias para aceitar a proposta da Macaca, ainda aguardando um convite do exterior, mais precisamente da Arábia Saudita, ou ainda de uma seleção feminina, sendo a brasileira a mais comentada. Os dias se passaram desde sábado, e esta quarta feira era decisiva para a escolha de um novo treinador. Vadão estava 95% acertado até meio dia deste 20 de setembro. Mas recebeu uma ligação perto do horário do almoço que mudou os rumos da tragetoria da sua volta ao Majestoso. Ele ouviu sim da proposta que esperava. Provavelmente, mas não confirmada, a volta a seleção brasileira feminina. Emily não vem agradando. A defesa não funciona. O comandante olímpico pode ser visto como a solução. E em Campinas a Ponte-Preta ouviu um agradecido não. Um até breve de quem nunca encerra a sua história nos clubes da cidade. Gustavo Bueno então foi pessoalmente a casa de Eduardo Baptista. E ouviu um surpreso sim. Contestado pela saída repentina, mas aplaudido pela possível condição de livrar a Macaca do risco de rebaixamento. Eduardo Baptista, nesta Quinta-feira, se apresenta no CT da Ponte-Preta para continuar uma história inacabada. O ano enfim começa nessa relação entre clube e treinador.

Guarani sai zerado e sofre goleada do Paraná em pleno Brinco de Ouro

O Paraná Clube venceu o Guarani por 4 a 0, em pleno Brinco de Ouro, em Campinas. Com o resultado, o Tricolor chegou aos 43 pontos, na terceira colocação, consolidado no G4. Já o Bugre, com 33 pontos, ocupa a 11ª colocação. Na próxima rodada, o Guarani enfrenta o Paysandu, sábado, no estádio Mangueirão, em Belém. Já o Paraná recebe o Náutico, no mesmo dia, na Vila Capanema, em Curitiba.
Aos seis minutos, confusão e pane na defesa bugrina e a bola sobrou para João Pedro ter apenas o trabalho de empurrar para as redes. Aos 11 minutos, lançamento para João Pedro e Richarlyson deu o carrinho para cometer a falta. O árbitro anotou pênalti. Na cobrança, Renatinho ampliou o placar. Aos 20 minutos, Renatinho chegou em velocidade e cruzou fechado para saída precisa de Vágner. Logo aos 24 minutos, Marcelo Cabo, para protesto da torcida, tirou Betinho para a entrada do atacante Eliandro. Aos 26 minutos, Gabriel Leite ajeitou para Eliandro, que bateu de primeira para defesa Richard. Aos 35 minutos, Fumagalli arriscou o chute de fora da área e isolou a bola. Aos 39 minutos, cruzamento na medida para Iago Maidana desviar de cabeça e fazer o terceiro do Paraná. Já nos acréscimos, Renatinho invadiu a área e chutou para grande defesa de Vágner.
Virou goleada logo aos cinco minutos da segunda etapa, com Cristovam, que tentou cruzar e viu a bola desviar na zaga e entrar. Nas arquibancadas, a torcida pegava no pé de alguns atletas, especialmente de Richarlyson. Em cobrança de falta, Fumagalli acertou a rede, aos 20 minutos, mas pelo lado de fora. Aos 24 minutos, Denner mandou um petardo, Richard soltou nos pés de Eleandro, que conseguiu perder a melhor chance paulista. O Tricolor da Vila, já satisfeito, deixava o tempo passar, sem passar por maiores dificuldades. Aos 32 minutos, lançamento para Robson, que parou em grande defesa de Vagner. De muito longe, Nazário tentou mais um chute e parou nas mãos de Richard, atento. 

FICHA TÉCNICA
GUARANI 0 X 4 PARANÁ

Local: Brinco de Ouro, em Campinas (SP)
Data: 19 de setembro de 2017, terça-feira
Horário: 21h30 (de Brasília)
Árbitro: Bruno Arleu de Araujo (RJ)
Assistentes: Luiz Claudio Regazone (RJ) e Eduardo de Souza Couto (RJ)
Cartões amarelos : Richarlyson, Betinho, Rafael Silva (Guarani)

Gols
PARANÁ João Pedro, aos seis minutos, e Renatinho, aos 12 minutos, Iago Maidana, aos 39 minutos do primeiro tempo

GUARANI: Vagner; Lenon, Ewerton Páscoa, Jussani e Richarlyson (Salomão); Evandro e Betinho (Eliandro); Bruno Nazário, Fumagalli e Paulinho; Rafael Silva (Denner).
Técnico: Marcelo Cabo

PARANÁ: Richard; Cristovam, Maidana, Brock e Igor; Leandro Vilela (Luiz Otávio), Vinícius Kiss, João Pedro e Renatinho (Zezinho); Vitor Feijão (Robson) e Alemão.
Técnico: Matheus Costa (interino)

Foto: Globo Esporte