#futebolrc

    ...
... ... ... ... ...

Notícias

Rádios
Rádios
Rádios
Rádios
» » » Almanaque do JEC: Jota Júnior

José Francischangelis Júnior, mais conhecido como Jota Júnior, nasceu em Americana no dia 7 de dezembro de 1948.
Nascemos sós e logo nos ocupamos em nos relacionarmos com as pessoas que estão próximas, a quem amamos e nos deram a vida. Nenhuma paixão passa a existir sem que antes se tenha alguma identificação enamorada por um símbolo expresso e notável a torna-la visível em cores, símbolos e vozes. Todos os que amam, vivem e sentem o futebol, alicerçam em um princípio real a sua história, e com José foi pelo jornalismo que tudo iniciou. O seu coração encontrou morada repleta em um microfone, contando aos autos da história as falhas e gols, derrotas e vitórias, eliminações e títulos, sem preço e por apreço, nunca por números e sempre pela nossa graça que é a emoção.
Jota Júnior um jornalista e locutor esportivo do SporTV e Premiere Futebol Clube desde 1999. Começou na Rádio Clube de Americana de 1969 até 1974, onde anteriormente contou que ali nasceu sua sua carreira de narrador esportivo. Abre Aspas:
"Passei a narrar quando a rádio Clube perdeu seu locutor titular e me foi dada a incumbência em Americana. Comecei ali, em fins de 1969. Apesar do improviso e das circunstâncias, desde pequeno eu almejava narrar futebol em rádio."
Após, trabalhou na Rádio Brasil de Campinas em 1974, Rádio Gazeta de São Paulo de 1974 até 1981 e Rádio Bandeirantes de 1981 até 1983. Fazia parte da equipes de esportes na TV Bandeirantes emissora pela qual narrou jogos das Copas do Mundo de 1986 no México, 1990 na Itália, 1994 nos Estados Unidos e de 1998 na França antes de deixar a Band no início de 1999. Para a partida mais marcante de sua vida abrimos aspas novamente:
"Foram muitas as emoções na carreira, poderia destacar algumas, porém realço a decisão do terceiro lugar na Copa da Argentina, 1978, Brasil x Itália, que narrei pela Gazeta de SP.  Meu primeiro jogo de Seleção dentro de uma Copa, na minha primeira Copa."
Jota Júnior vem obtendo reconhecimento por todos que o assistem, narrando jogos de diversos campeonatos transmitidos pelo SporTV, com um time de comentaristas muito bem informados. Pelo SporTV narrou amistosos da Seleção Brasileira, jogos das Copas de 2010 na África do Sul e de 2014 no Brasil, a qual abriu aspas a época sobre a sua vivência deste e de outros mundiais, com as suas peculiaridades e tensões:
"Diria que em praticamente todas as Copas que fui houve apreensão antes delas começarem. Em 1978, os guerrilheiros argentinos ameaçaram a Copa. Repetiu-se em 82, na Espanha, com a oposição armada. Em 86, o México havia sofrido 6 meses antes um de seus maiores terremotos, quase destruindo a cidade. Em 90 e 94, tivemos Itália e USA alvos de possíveis atentados. Enfim, o mundo conturbado em que vivemos sempre ameaçou as Copas. E aqui no Brasil a Copa começou sob tensão. Foram alguns dias de expectativa e de autodefesa por parte de todos. Mas rapidamente o panorama mudou com a chegada dos estrangeiros e sua contagiante alegria. E com a bola rolando o sucesso veio com tudo. Bons jogos, muita emoção, a festa das arquibancadas, a energia foi excepcional. Até os pouco sensitivos mediam o tamanho da boa energia emitida pela galera."
Em 2014, após a Copa do Mundo narrou in loco as partidas do Brasil no Campeonato Mundial de Voleibol Feminino de 2014 na Itália. O portfólio de Jota Júnior é rico em grandes eventos: além de sete Olimpíadas, o paulista ainda comandou a equipe em oito Copas do Mundo. Pela emissora atual, ele narrou quatro Copas, enquanto as outras quatro foram pela Rádio Bandeirantes. A história do locutor inspirou, inclusive, estudantes da Faculdade Cásper Líbero, que o escolheram como tema do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) e realizaram um documentário sobre a carreira de “Jotinha”.
As aspas que finalizam o "Almanaque do Jornalismo Esporte Clube" desta semana contam ainda um segredo de como o narrador se prepara para as partidas que irá trabalhar:
"Procuro preservar a voz com algumas técnicas aprendidas no dia-a-dia. Não grito, não elevo o tom de voz no cotidiano, evito gelados, faço uso de gengibre e mel diariamente, apelando para um bom gargarejo momentos antes das transmissões."
A profissão um dia será premiada com a aposentadoria, o primeiro amor incondicional da bondade de ser humano que José Júnior é jamais deixará as raízes criadas ainda no útero.

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Leave a Reply