#futebolrc

    ...
... ... ... ... ...

Notícias

Rádios
Rádios
Rádios
Rádios
» » » » » Canetadas: 56 anos de Morumbi!

O Estádio Cícero Pompeu de Toledo, ou Estádio do Morumbi, é a sede oficial do São Paulo Futebol Clube, mas já tendo recebido a Seleção Brasileira em várias ocasiões, é o maior estádio particular do país. Localiza-se na praça Roberto Gomes Pedrosa, nº 1, em São Paulo. Nos primeiros anos de sua existência, o São Paulo utilizou como sede e campo a Chácara da Floresta, (localizada à esquerda da Ponte das Bandeiras, junto ao rio Tietê, na zona central da capital paulista). Daí ser empregado o nome de São Paulo da Floresta quando se fala do primeiro período de existência da agremiação, de janeiro de 1930 até maio de 1935. Quando o clube foi refundado em dezembro de 1935, não tinha um campo próprio, situação que perdurou até 1938, quando a união com o Estudante Paulista rendeu ao São Paulo a posse do campo da Mooca pertencente à Antárctica. Em 1940, passou a usar o Pacaembu.
Em 1944, o São Paulo adquiriu o Canindé, por doze milhões de cruzeiros que passou a ser o seu campo. Mas o Canindé só era utilizado como sede social e local para treinamentos; a área era pequena para a construção de um grande estádio e então surgiram ideias e projetos para a viabilização de uma praça esportiva em algum outro local da cidade. O sonho de construir um grande estádio começou a se tornar realidade. A ideia inicial era a área onde atualmente encontra-se o Parque do Ibirapuera, na época uma região alagada, mas o então vereador Jânio Quadros impediu que o clube recebesse a área da prefeitura. O local escolhido foi uma área na região do Morumbi, praticamente desabitado, que estava em processo de loteamento imobiliário.
Em 4 de agosto de 1952 o terreno foi doado para a construção do Morumbi pela Imobiliária e Construtora Aricanduva que era de propriedade de Adhemar Pereira de Barros governador de São Paulo. Neste mesmo ano, 1952, o presidente do clube, Cícero Pompeu de Toledo, procurou Laudo Natel, diretor do Bradesco, propondo-lhe que assumisse o clube administrativamente. Em 1952, o governador do Estado de São Paulo era Lucas Nogueira Garcez (31/1/1951 a 31/1/1955). Laudo Natel era diretor do Bradesco, não ex-diretor em 1952, e não tinha nenhum cargo político ou exercia algum, tampouco poderia ser vice-governador. Laudo Natel somente entrou para a política em 1962, dez anos depois, quando então elegeu-se vice-governador em chapa única pelo PR (Partido Republicano) com 1,2 milhão de votos. Tomou posse do cargo em 31 de janeiro 1963, e não era vice de Adhemar, e nunca foi, pois as eleições para governador e vice eram independentes à época. A Imobiliária e Construtora Aricanduva S/A era presidida por João Jorge Saad, genro de Adhemar de Barros e dono da Rádio e Televisão Bandeirantes.
Em 15 de agosto de 1952, Monsenhor Bastos abençoou os terrenos e foi lançada a campanha pró-construção do Morumbi. Foi eleita uma comissão constituída pelo presidente Cícero Pompeu de Toledo e pelos seguintes nomes: Piragibe Nogueira (vice-presidente); Luís Cássio dos Santos (secretário); Amador Aguiar (tesoureiro); Altino de Castro Lima, Carlos Alberto Gomes Cardim, Luís Campos Aranha, Manuel Raimundo Pais de Almeida, Osvaldo Artur Bratke, Roberto Gomes Pedrosa, Roberto Barros Lima, Marcos Gasparian, Paulo Machado de Carvalho e Pedro França Filho Pinto. Iniciava-se então, uma nova fase na vida do São Paulo Futebol Clube. Parte do dinheiro da venda do Canindé (vendido à Portuguesa de Desportos em 1956) foi revertido em material de construção. Toda a receita do clube também foi investida na construção do estádio, ficando o time num segundo plano. As obras para a construção do novo estádio começaram em 1953.
Em 1956, o clube recebeu concessão de auxílio de dez milhões de cruzeiros, em apólices da dívida pública mediante juros de 8% ao ano, para o prosseguimento das obras do seu estádio. A Prefeitura concedeu auxílio idêntico a todos os grandes clubes da Capital. O projeto do estádio do Morumbi teve a criação do arquiteto Vilanova Artigas, um dos principais representantes da "escola paulista" da arquitetura moderna.
Alguns números do Morumbi: para o desenvolvimento do projeto foram necessárias 370 pranchas de papel vegetal; cinco meses foram consumidos nas terraplanagens e escavações, com o movimento de 340 mil metros cúbicos de terra; um córrego foi canalizado; o volume de concreto utilizado é equivalente a construção de 83 edifícios de dez andares; os 280 mil sacos de cimento usados, se colocados lado a lado, cobririam a distância de São Paulo ao Rio de Janeiro; cinquenta mil toneladas de ferro, que daria para circundar a Terra duas vezes e meia.
Num determinado momento, uma troca foi proposta pela prefeitura que ficaria com o Morumbi e o São Paulo, com o Pacaembu. Mas Laudo Natel, apoiado por toda a diretoria, prosseguiu a batalha, após a morte de Cícero Pompeu de Toledo.
A partida que inaugurou o estádio aconteceu em 2 de outubro de 1960. O São Paulo venceu o Sporting Lisboa, por 1x0. O árbitro da partida inaugural foi Olten Ayres de Abreu. O primeiro gol do Morumbi foi marcado por Peixinho (Arnaldo Poffo Garcia), aos 12 minutos de jogo, diante de 56.448 pessoas que lotavam o estádio ainda inacabado, pois o objetivo era abrigar 120 mil pessoas, com renda de 7 868 400 cruzeiros, recorde em amistosos na época. Uma informação; o gol marcado por Peixinho foi de cabeça, se jogando quase rente ao chão. Daí nasceu a expressão "gol de peixinho". É citado esse lance, erroneamente, pois faz-se uma analogia com o peixe nadando e o jogador cabeceando, mas o correto "gol de peixinho" é pelo primeiro jogador a marcar no Morumbi e por essa jogada característica. O São Paulo jogou com: Poy; Ademar, Gildésio e Riberto; Fernando Sátyro e Víctor; Peixinho, Jonas (Paulo), Gino Orlando, Gonçalo (Cláudio) e Canhoteiro; técnico Flávio Costa. O Sporting Lisboa formou com: Aníbal; Lino e Hidário; Mendes, Morato e Július; Hugo, Faustino, Figueiredo (Fernando), Diego (Geo) e Seminário; técnico Alfredo Gonzalez.
A inauguração total do Morumbi ocorreu em 25 de janeiro de 1970. A partida de comemoração foi entre São Paulo e Porto, de Portugal, e terminou empatada em 1 a 1. Vieira Nunes abriu o placar para a equipe portuguesa, aos 32 minutos de jogo e Miruca empatou para o São Paulo aos 35 minutos do primeiro tempo. O árbitro da partida foi José Favilli Neto e o público foi de 107 069 espectadores presentes (59 924 pagantes). O jogo teve a presença do presidente da República, o general Emílio Garrastazu Médici, e do governador paulista, Abreu Sodré. O São Paulo jogou com: Picasso; Édson, Jurandir, Roberto Dias e Tenente; Lourival e Gérson; Miruca (José Roberto), Toninho, Téia (Babá) e Paraná (Claudinho); técnico Zezé Moreira. O Porto formou com: Vaz; Acácio, Valdemar, Vieira Nunes e Sucena; Pavão e Rolando; Gomes, Chico (Seninho), Pinto (Ronaldo) e Nóbrega.
Após esta inauguração o Morumbi passou a ser chamado de "o maior estádio particular do mundo", apesar da redução de sua capacidade de 120 para 85 mil espectadores nos anos 1990, por medida de segurança. Entre 1994 e 1996, o estádio passou por uma série de reformas para melhorias na estrutura (que apresentava falhas), foram colocados amortecedor de impacto e para a colocação de assentos nas arquibancadas e nas chamadas "gerais" e teve a capacidade reduzida em 10 mil pessoas. O nome oficial é Estádio Cícero Pompeu de Toledo, em homenagem ao ex-jogador, dirigente e presidente do clube. O Morumbi foi palco de grandes vitórias do São Paulo Futebol Clube, o qual conquistou em casa o primeiro campeonato da Copa Libertadores da América em 1992 e seu tricampeonato em 2005. Em 1993, apesar de o último jogo ter sido no Chile, o Tricolor praticamente decidiu o título em casa ao vencer por 5 a 1 o Universidad Católica.
Já em Campeonatos Brasileiros, o São Paulo não tinha muita sorte em seus domínios, pois nas quatro primeiras finais em que decidiu o título no Morumbi (1973, 1981, 1989 e 1990), saiu de campo sem a taça, precisando esperar até 2006 para conseguir conquistar um título nacional em seu estádio, feito repetido em 2007. O São Paulo já conquistou vinte taças em seu estádio. O projeto de reforma e modernização do estádio vem desde meados da década de 1990. Batizado sob o nome de Projeto "Morumbi Século XXI", tal projeto acabou não tendo êxito e as reformas resumiram-se à parte estrutural do estádio, o que resolveu o problema de fortes trepidações e rachaduras. O Sonho de reformar, cobrir e modernizar o estádio voltou à tona quando o Morumbi foi indicado pela prefeitura e pelo governo do estado para ser o estádio que representaria a cidade e o estado no Mundial de 2014. O projeto para reforma do Morumbi feito pela GMP incluiria rebaixar o gramado, demolir os anéis intermediário e térreo e construir um novo anel mais retangular com cadeiras próximas ao campo, além de ampliar o anel superior, atingindo assim a capacidade de 67.450 pessoas sentadas, com 2.400 lugares provisórios, cobertura das arquibancadas, construção de um edifício para abrigar centro de mídia e novos vestiários. Porém, em 16 de junho de 2010, o Morumbi foi excluído do projeto pois o São Paulo e o Comitê da Cidade de São Paulo não entregaram as garantias financeiras referentes ao projeto do estádio ao Comitê Organizador Local da Copa. Mesmo sem copa, o São Paulo seguiu tocando as obras de reforma do seu estádio referentes a um de projeto de 430 milhões de reais não aprovado pela FIFA. A reforma inclui criação de camarotes, renovação de banheiros, instalação de novos assentos e construção de novos vestiários são alguns itens planejados para serem concluídos até o final de 2013, pois o clube acredita que caso haja uma emergência, o estádio esteja preparado para copa. O principal ponto da reforma era a construção de uma cobertura para o estádio. Em 1 de novembro de 2011, o São Paulo anunciou que já tem um acordo para construir a cobertura do estádio do Morumbi. A obra, teria início em janeiro de 2012, com duração prevista de 18 meses a partir do início da obra e custaria entre R$ 100 milhões e R$ 120 milhões. Segundo José Francisco Manssur, assessor direto do presidente Juvenal Juvêncio, 12 empresas procuraram o São Paulo e apresentaram propostas para construir a cobertura. A empresa vencedora irá estampar o nome de sua marca na arena multiúso que será construída atrás de um dos gols do estádio e terá capacidade para 25 mil torcedores. Por fim, a Prefeitura de São Paulo emitiu o alvará para a as obras em 6 de julho de 2012. Ao todo são 102 904 metros quadrados de área construída, sendo que a área reservada aos espectadores é de 62 450 metros quadrados. O campo do Morumbi mede 108,25 metros de comprimento por 72,70 metros de largura. O estádio possui 15 cabines para rádio e TV; 81 pontos de vendas para bebidas e lanches; 105 guichês para venda de ingressos; 51 banheiros; centro médico com 5 ambulâncias de plantão.
É um dos poucos estádios do Brasil que possui um setor exclusivo para deficientes físicos. A área tem 470 metros quadrados, espaço para 92 cadeiras de rodas e 108 lugares destinados a portadores de outros tipos de deficiência. Os acompanhantes dos deficientes físicos também têm um local específico dentro do estádio, ao lado do setor especial. Desde abril de 1999, o Morumbi possui um novo sistema de iluminação. Os antigos painéis com luminárias concentradas foram substituídos por uma iluminação horizontalizada nos dois lados do estádio. As quatro caixas de concreto foram trocadas por duas estruturas metálicas especiais, com 80 metros de extensão cada uma, acompanhando a curvatura do Morumbi. O estádio foi remodelado por duas vezes, de 1994 a 1996, com uma reforma estrutural total, e posteriormente em 2000.
O maior público do Morumbi em um jogo de futebol foi registrado no dia 9 de outubro de 1977, com um público de 138 032 pagantes, somado ao público de 8.052 não-pagantes, gerando no total de 146 082 pessoas — assistiram a um jogo válido pela final do Campeonato Paulista desse ano, que terminou com vitória por 2 a 1 da Ponte Preta sobre o Corinthians. Já o maior público numa partida do São Paulo foi em 16 de novembro de 1980, quando o time ganhou do Santos por 1 a 0, na primeira partida válida pelas finais do Campeonato Paulista. Nesta ocasião, o público pagante foi de 122 209 pessoas, somado ao público de 326 pessoas não-pagantes, gerando um total de 122 535 espectadores. O Jornal da Tarde, entretanto, estimava um público total maior: "Nunca se saberá ao certo o público de ontem […]. O número de 122 mil pessoas, anunciado oficialmente pelos arrecadadores, é menor do que a realidade. Muita gente entrou sem pagar ingresso, no meio do tumulto nas rampas de acesso às numeradas e arquibancadas. Outros torcedores nem chegaram a entregar seus ingressos na catraca." O jornalista Alberto Helena Júnior, do mesmo jornal, lembrava que a carga de 156 mil ingressos havia sido totalmente vendida: "Cento e vinte e duas mil [pessoas], como, se todos os ingressos foram vendidos e os portões [foram] cerrados meia hora antes do início da partida?" O recorde de renda do estádio foi alcançado em 6 de junho de 2014, em um jogo amistoso entre a Seleção Brasileira e a Seleção Sérvia, quando foi arrecadado um montante de R$ 8 693 940.
Pelo menos 41 partidas realizadas no Morumbi ultrapassaram a marca de cem mil espectadores presentes e também no mínimo 63 partidas realizadas no estádio do São Paulo ultrapassaram a marca de oitenta mil, isto considerando apenas partidas realizadas pelo Campeonato Paulista.

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Leave a Reply