#futebolrc

    ...
... ... ... ... ...

Notícias

Rádios
Rádios
Rádios
Rádios
» » » » Pole Position: Com vitória de Rosberg, Mercedes é Tri nos construtores

Nico Rosberg começou a temporada vencendo as quatro primeiras etapas do mundial de Fórmula 1 e impôs 43 pontos de vantagem para o companheiro de Mercedes, Lewis Hamilton. Em resposta Lews Hamilton chegou na sequência a seis vitórias em sete provas, abrindo na liderança do Mundial 19 pontos para Rosberg. Eram poucos então os que não acreditavam que o piloto inglês não teria maiores dificuldades para conquistar o tri pela Mercedes, quarto título na carreira.
Agora, depois do GP do Japão, 17º do calendário, disputado na madrugada deste domingo, o campeonato parece caminhar de novo para as mãos de Rosberg. Após a volta das férias da F1, o piloto alemão ganhou quatro das cinco etapas, como a de Suzuka, e foi terceiro na outra. Restando quatro GPs para o encerramento do campeonato, com a brilhante vitória no Japão Rosberg abriu 33 pontos de vantagem para Hamilton, 313 a 280. O próximo evento é já dia 23, no Circuito das Américas, em Austin, nos Estados Unidos. Na sequência virão o GP do México, dia 30, do Brasil, 13 de novembro, e de Abu Dhabi, 27.
O erro de Hamilton na largada na prova do Japão, quando caiu de segundo para oitavo na primeira volta, o fez perder a importante possibilidade de depender apenas de si para conquistar mais um campeonato. Com o terceiro lugar de Hamilton e a nona vitória de Rosberg no ano – Hamilton tem seis -, mesmo vencendo as quatro provas existentes o inglês não supera o alemão.
Se Hamilton for primeiro nas quatro, soma 100 pontos (25x4), o que o levaria a 380 pontos (280+100). Rosberg pode ser segundo em três desses eventos e terceiro no outro, será já suficiente para repetir o que seu pai fez em 1982, com a Willliams, quando se tornou campeão. Nessa hipótese, o alemão somaria 54 pontos das três segundas colocações (18x3) e 15 do terceiro lugar, atingindo 382 (313+69) no total, ou dois a mais de Hamilton.
Abre Aspas para Lews:
“A vantagem de Nico é muito grande, ele poderá administrá-la. Não tem a ver com a umidade que havia no asfalto na minha frente, tem a ver com a minha má largada, eu errei, minhas rodas ficaram patinando. Hoje ele merece o meu cumprimento, fez ótimo trabalho durante todo o fim de semana."
Abre Aspas para Nico Rosberg:
“Não estou pensando no campeonato, mas em cada GP, como se fossem eventos independentes. Talvez mais para a frente eu tenha de refletir sobre a situação do campeonato, agora seria um erro.”
A maturidade e eficiência de Rosberg em Suzuka e na etapa anterior, Cingapura, também vencida por ele, somada a importante vantagem de 33 pontos sobre Hamilton, agora, e o seu histórico nas quatro corridas a seguir sugerem que ele tem, de fato, boas chances de ganhar seu primeiro mundial. Mas assim como Hamilton reverteu, rapidamente, uma situação desfavorável, no começo do ano, agora é perfeitamente possível de novo.
“Não estou preocupado com a vantagem de 8 pontos de Nico, mas com a forma como ele está pilotando”, afirmou Hamilton a TV italiana, em Cingapura, após Rosberg reassumir a liderança do campeonato com uma das maiores vitórias na carreira que, com a de Suzuka, chega a 23, o mesmo número de Nelson Piquet, 12º do ranking liderado por Michael Schumacher, com 91.
Os pilotos da escuderia juntamente com a direção comemoraram neste domingo a conquista do terceiro título seguido da Mercedes no Mundial de Construtores. Com os 40 pontos (25+15) de Rosberg e Hamilton em Suzuka, a organização alemã soma, agora, depois de 17 GPs, 593 pontos. A RBR, com o excelente segundo lugar de Max Verstappen, e o sexto de Daniel Ricciardo, obteve 26 pontos e ficou com 385. Nas quatro etapas que faltam há 172 pontos em jogo, de 25 da vitória e 18 do segundo lugar (43) a cada etapa (43x4). A diferença entre Mercedes e RBR, hoje, é de 208 pontos e o máximo que Max e Ricciardo poderiam conseguir seria 172, menos da atual diferença para a Mercedes.
Sebastian Vettel, da Ferrari, ao fim da corrida foi político ao comentar que a estratégia de colocar pneus macios no seu carro, no último pit stop, parecia ser a melhor, por lhe dar uma possibilidade de atacar Max e lutar pelo segundo lugar. Mas o que aconteceu foi ele acabar ultrapassado por Hamilton e cruzar a linha de chegada em quarto, fora do pódio.
Raikkonen disputou outro grande GP, ao largar em oitavo, decorrente de substituir o câmbio e cair cinco posições no grid, e chegar em quinto. Mas a Ferrari ficou, agora, a 50 pontos da RBR, na luta pelo vice entre os construtores (385 a 335). De qualquer forma, a performance do modelo SF16-H em Suzuka surpreendeu até os pilotos da Ferrari. Parece ser possível que pelas características das quatro pistas restantes, a RBR e, talvez até a Ferrari, se mantenham relativamente próximas da Mercedes, o que seria uma boa notícia para a F1.
Assim terminou o GP do Japão de F1:

1: Nico Rosberg (ALE/ Mercedes)
2: Max Verstappen (HOL/ Red Bull)
3: Lewis Hamilton (ING/ Mercedes)
4: Sebastian Vettel (ALE/ Ferrari)
5: Kimi Raikkonen (FIN/ Ferrari)
6: Daniel Ricciardo (AUS/ Red Bull)
7: Sergio Pérez (MEX/ Force India)
8: Nico Hulkenberg (ALE/ Force India)
9: Felipe Massa (BRA/ Williams)
10: Valtteri Bottas (FIN/ Williams)
11: Romain Grosjean (FRA/ Haas)
12: Jolyon Palmer (ING/ Renault)
13: Daniil Kvyat (RUS/ Toro Rosso)
14: Kevin Magnussen (DIN/ Renault)
15: Marcus Ericsson (SUE/ Sauber)
16: Fernando Alonso (ESP/ McLaren)
17: Carlos Sainz Jr. (ESP/ Toro Rosso)
18: Jenson Button (ING/ McLaren)
19: Felipe Nasr (BRA/ Sauber)
20: Esteban Gutiérrez (MEX/ Haas)
21: Esteban Ocon (FRA/ Manor)
22: Pascal Wehrlein (ALE/ Manor)

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Leave a Reply