#futebolrc

    ...
... ... ... ... ...

Notícias

Rádios
Rádios
Rádios
Rádios
» » » » Extra Futy: A nova vida de Lais Souza

Todos se lembram de Lais Souza como uma das mais competentes ginastas da nova geração do Brasil, e a maioria ficou sabendo de seu acidente que, enquanto esquiava, sofreu danos até hoje irreparáveis. Mas poucos sabem o quanto hoje ela vê o mundo de uma forma diferente de quando andava e não se pergunta mais: “por que comigo?” Não tenta achar respostas para o que chama de destino. Até se sente confortável para recordar o acidente em uma pista de esqui que a deixou tetraplégica, mas prefere olhar para frente, prefere vislumbrar um milagre da medicina que a permita mexer os braços e as pernas. Lais sonha andar novamente, só que sua nova vida, seu “mundo de rodas”, não é feito apenas de fé, mas também da força de vontade de quem se arrisca - e sem pensar duas vezes - em um tratamento experimental com células-tronco, de quem encara a fisioterapia com a mesma garra de um treino, de quem valoriza a mais sutil evolução. Uma vida de resiliência e superação diária.
As fotos de capa desta matéria de Marcos Ribolli mostram o processo de recuperação, e ao longo dos dois anos desta nova vida Lais não se calou e deu diversas declarações a muitos veículos de imprensa. Reproduzimos aqui algumas falas desta guerreira. Abre Aspas:
"O que eu sonho hoje é que não estou na cadeira, que em algum momento a medicina vai evoluir, que minha saúde vai melhorar. Eu procuro ser positiva, porque já é difícil estar passando por essa situação e estar encarando isso. Então preciso encarar de forma positiva, me motivando. Meu objetivo é andar, agora a velocidade com que isso vai acontecer, não tenho como dizer. Tem que ir no dia a dia e tentar não desistir, porque sei que é um problema que vai ser lento para ser resolvido. Tem que ir indo e lutando. Vejo pessoas que estão na cadeira e não fazem nada para sair, não saem de casa, não tentam fazer diferente. Eu quero fazer diferente, quero voltar a andar, que seja mexer os braços. É o mínimo que espero. Nesse dia, fiquei parada na frente do espelho e olhei o meu corpo, o meu resto e foi essa frase que quis escrever, que era um momento que estava aceitando o que eu tinha, o que eu sou hoje. O problema é aceitar a forma que foi. Eu não tive nada, nenhuma fratura, não quebrei um braço, não quebrei uma perna, nem uma costela, nada. Simplesmente quebrei o pescoço. Tentar entender isso e aceitar é o que é difícil. Foi o que passei no primeiro ano. Hoje já estou com uma cabeça diferente, encarando de uma maneira diferente o meu problema. Já estou de um jeito que consegui aceitar o meu problema. A ideia de pensar que eu poderia estar morta é muito pior do que eu estar na cadeira, porque poderia estar morta. Eu pelo menos estou aqui agora, estou próxima da minha família e tudo mais. Agora para a morte ninguém dá jeito.
A maior dificuldade hoje é que muita gente não sabe o que é ser cadeirante, como é encarar isso. O que eu queria era quebrar esse paradigma, mostrar que a pessoa que é cadeirante tem dificuldades, mas ela continua ali. São pessoas inteligentes. Acontece com qualquer um. Ninguém gosta de ser coitado. O coitado é ruim, é fraco, não é positivo. Eu sou o contrário disso, gosto de coisas que chocam, que são positivas, que é bom, não gosto de ser para baixo. Ser coitada? Não! Não acho que tem de pensar: “Ah, ela mereceu!” Não é assim. Aconteceu. Tem que viver a realidade, tem que viver o momento e a situação pela qual está passando. O coitado não é ninguém, por isso que eu não gosto".
Tatuado no braço um símbolo da luta do tetraplégico para voltar a andar, Lais se tornou porta-voz da causa. A tristeza por sua condição, de quem só consegue mexer a cabeça e os ombros, raramente dá as caras. Lais não deixa, é forte. Treina como uma atleta, mesmo que o estímulo seja passivo. Vai ao salão de beleza como qualquer jovem de vaidosa de 27 anos. Passeia com amigos como todo mundo. Trabalha dando palestras motivacionais, ainda que não chame isso de trabalho.
Seu acidente causou tamanha comoção no Brasil, que ela conquistou uma série de privilégios que outros brasileiros tetraplégicos não têm. Por ter representado o país desde os 12 anos, a ex-ginasta recebe uma pensão especial e vitalícia do Governo Federal no valor do teto da Previdência Social (Reajustado para R$ 5.189,82 a partir deste mês). O Comitê Olímpico do Brasil (COB) e a Confederação Brasileira de Desportos na Neve (CBDN) também a auxiliam financeiramente, além da Universidade Estácio de Sá, para quem a ex-esquiadora dá palestras. Ela conta com ajuda de uma empresa de roupa e da clínica Acreditando, onde faz o tratamento de fisioterapia.
Lais ainda recebe doações de anônimos e amigos famosos. O apresentador Luciano Huck a deu um carro adaptado, que usa no Brasil. Astro do Barcelona e da seleção brasileira, Neymar também dá uma ajuda importante para a ex-atleta. Lais se divide entre Ribeirão Preto, sua cidade natal, e São Paulo, onde faz fisioterapia e dá palestras. Quando está na capital paulista, ela se hospeda em um apart hotel bancado por Neymar. Apesar de todo o suporte, o tratamento de Lais é tão caro que ela ainda depende das doações na campanha “Eu Apoio a Lais”.

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Leave a Reply