#futebolrc

    ...
... ... ... ... ...

Notícias

Rádios
Rádios
Rádios
Rádios
» » » » Canetadas: Baptista tem dificuldades em mudar o cenário de um jogo em andamento

Eduardo Baptista chega ao atual Campeão Brasileiro para o mais desafiador trabalho de sua carreira. O objetivo será pela conquista de títulos, estes que o treinador conseguiu apenas no Sport, com campanhas incontestáveis e assumindo o posto de seu pai Nelsinho, atualmente no futebol japonês. O time pernambucano foi o único que o treinador teve sucesso e bons números. Pelo Fluminense, equipe que o contratou depois de sua saída da Ilha do Retiro, o aproveitamento foi muito baixo: apenas 29,5% dos pontos ganhos. Pela Ponte Preta, apesar da melhor campanha da Macaca no Brasileirão de pontos corridos com 20 equipes, o time de Campinas venceu apenas 49,2% dos pontos. Baptista chega ao Palmeiras com a missão de substituir Cuca, que teve um aproveitamento de 64%.
O último ano a frente da macaca foi de grande valor para se conhecer um pouco mais do campineiro. Ele chegou um pouco atrasado, pois a Ponte-Preta o queria para o Campeonato Paulista, após a queda de Vinícius Eutropio, mas ele ainda balançava no Fluminense e optou por não deixar o clube carioca, sendo demitido dias depois, mas quando a macaca já contava com Alexandre Gallo. O aproveitamento de Gallo não foi ruim, mais de 60%, mas mesmo assim a diretoria o demitiu e trouxe Baptista que tem uma ligação umbilical com o clube de Campinas. Nelsinho foi ídolo como jogador e treinador, Eduardo chegava para o mesmo caminho. Focou em dois objetivos. Não ser rebaixado no Campeonato Brasileiro e conquistar a Copa do Brasil. Conseguiu o primeiro, mas ao contrário do que dizia, a sua experiência em Copa do Brasil não foi suficiente para evitar a eliminação para o Atlético-MG em pleno Majestoso. O treinador que havia vencido o torneio como auxiliar pelo Sport, não satisfez a ânsia centenária de espera por títulos da torcida da Ponte-Preta e passou a ter estádios esvaziados e constatações incisivas.
Eduardo Baptista tem um bom planejamento para o início da montagem de um elenco, define esquemas táticos e titulares com facilidade, mas neste último ano na macaca, a falta de saber reinventar-se durante a temporada e os jogos pesaram muito. Como qualquer profissional em um início de carreira, ele mostrou-se ainda inexperiente em muitas decisões. Persistiu com Willian Potcker, artilheiro do BR16, no banco de Wellington Paulista em muitas partidas, manteve Fábio Ferreira após falhas consecutivas na zaga, insistiu com Clayson mesmo sem o meia render o esperado em partidas decisivas. Uma partida que exemplifica a postura de Eduardo foi contra o Santos no estádio Moisés Lucarelli. A macaca havia abrido 1 x 0, então Dorival Júnior sacou um zagueiro para a entrada de um meia atacante, e o treinador local não promoveu nenhuma alteração tática ou mesmo de jogadores para também mudar o esquema de jogo da Ponte, mas apenas assistiu passivo a virada santista. Na partida seguinte, ele pareceu ter aprendido, usou da mesma tática de Dorival e venceu a partida. A experiência de um jovem treinador como Baptista irá ser adquirida conforme o passar dos jogos e das decisões, mas o Palmeiras se mostra disposto a investir em um treinador em formação, mas promissor.

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Leave a Reply