#futebolrc

    ...
... ... ... ... ...

Notícias

Rádios
Rádios
Rádios
Rádios
» » » » Abre Aspas: Ygor Coelho

Abrimos Aspas para ouvirmos Ygor Coelho de Oliveira, nascido no Rio de Janeiro em 24 de novembro de 1996. Quando o pai, Sebastião Oliveira, criou um projeto social de badminton para ajudar as crianças do Morro da Chacrinha, na Zona Oeste do Rio, a ONG Miratus, o menino ainda estava na barriga da mãe, mas logo aos 3 anos estava fazendo parte do mesmo sonho. Foi Hexacampeão Pan-Americano Júnior em 2006, 2007, 2008, 2010, 2012 e 2013, Campeão do Aberto de São Paulo em 2015
Vice-campeão no Aberto da Guatemala e 2015, Campeão do torneio de Porto Rico em 2014, 3º colocado (individual e duplas) no torneio do Chile, 3º colocado no Aberto de Santo Domingo em 2015 e juntamente a Lohaynny Vicente, foram os primeiros e dois únicos representantes do badminton brasileiro a participarem dos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro.

Vagner: Como foi a sua origem no esporte, se inspirou em alguém?

Ygor: A minha origem no esporte foi através do meu pai, comecei com 3 anos de idade, ele que me inspirou e me inspira até hoje.

Vagner: Você foi multi campeão nas categorias juniores. Qual a conquista mais lhe marcou?

Ygor: Nas categorias juniores foram vários títulos, mas a melhor conquista pra mim foi jogar os Jogos Olímpicos da juventude em Nanjing.

Vagner: Pelo Badminton você foi o primeiro atleta brasileiro a disputar a modalidade em uma Olimpíada. Como foi o seu desempenho e que sentimento ficou entrando para a história com essa marca?

Ygor: Nas Olimpíadas eu fiquei em 3° lugar na chave de grupos perdendo para a Irlanda e para a Alemanha, o sentimento que eu vou levar para o resto da minha vida é poder saber que eu joguei uma Olimpíada em casa, e que o ginásio estava lotado.

Vagner: Como é a organização do Badminton no Brasil, em campeonatos e apoios de liga e patrocinadores?

Ygor: Antes dos Jogos Olímpicos a gente tinha uma seleção, depois dos Jogos Olímpicos o apoio diminuiu bastante, mas graças aos meus patrocinadores Artengo, Nissan, bolsa atleta e a FAB eu consigo me manter treinando e jogando torneios internacionais.

Vagner: Como sonha o seu futuro, o que ainda deseja para a sua carreira?

Ygor: Eu desejo ser um dos melhores do mundo até Tóquio 2020, hoje eu sou 56° do mundo, e espero conseguir avançar mais posições.

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Leave a Reply