#futebolrc

    ...
... ... ... ... ...

Notícias

Rádios
Rádios
Rádios
Rádios
» » » » » Canetadas: A emblemática saída de Bauza


O recente título da Libertadores pelo San Lorenzo credenciou Edgardo Bauza a alçar vôos em solos brasileiros para comandar o Tri-Campeão São Paulo em 2017, e mostrou em apenas seis meses o que anteriormente e posteriormente tem sido e será em sua carreira. Falamos de um Paton que oscila entre os marcadores possíveis para uma partida de futebol, a derrota, o empate e a vitória. A competição internacional de clubes Sul-Americanos foi de um início ruim para o Tricolor, com uma derrota para o The Strongest em pleno Pacaembu e sequênciais empates. Mas Bauza não se rendeu e teve na vitória sobre o River Plate no Morumbi um divisor de águas na campanha que levaria a equipe a uma Semi-Final marcante contra o campeão Atlético Nacional. O campeonato brasileiro que começou na sequência ainda buscava apagar a oscilação entre a campanha pelo Tetra da Libertadores e a eliminação precoce no Campeonato Paulista para o Audax. Com Paton sempre foi e será assim, um eterno balançar nos mares do resultado. No Nacional, o Tricolor foi comandado por Ricardo Gomes, após a saída do argentino para a seleção de seu país. 
Quando chegou a Buenos Aires, Edgardo Bauza disse que estava realizando o maior sonho de sua vida, que era treinar a seleção do seu país. Logo de início um desafio pela frente de trazer o maior jogador do atual elenco de volta a vestir a camisa azul e branca. Messi havia anunciado após a derrota na final da Copa América para o Chile que não atuaria mais por sua seleção, mas quando recebeu a visita de Bauza na Catalunha, voltou para ficar na campanha das Eliminatórias para o Mundial de 2018. Ao mesmo tempo Tite, rival de Bauza no 1° semestre do futebol paulista, no Corinthians, assumia a Seleção Brasileira. As estreias aconteceram, os jogos se passaram, os canarinhos subiam na classificação e o os hermanos caiam. Bauza não encontrava uma formação ideal para o seu selecionado, Pratto era titular, Aguero ficava no banco, outros sequer eram chamados. Tite encontrou o esquema que deu a Neymar, Jesus e Coutinho a possibilidade de brilharem e criarem a mais longa invencibilidade da história da amarelinha em Eliminatórias. Oito jogos, oito vitórias. Uma delas sobre a Argentina, em um Mineirão lotado para comemorar os 3 a 0 que Paton somou a mais duas derrotas, dois empates e três vitórias nas oito partidas que esteve no comando da sua seleção. Os mesmos 45% de aproveitamento que teve a frente do São Paulo e não muito diferente da de clubes que passou e dos que ainda virão. Bauza é assim. Um defensivo realizador de sonhos.
A AFA, envolvida em escândalos de corrupção e atrasos de pagamentos de salários, não tem mais a mesma força política e financeira de tempos áureos. A lembrar a recente punição a Messi que o deixa fora de quatro partidas por ofensas a arbitragem na penúltima rodada, antes de ver apenas de camarote a derrota para a Bolívia, em La Paz. A recordar que a entidade que rege o futebol hermano não recebe mais as quantias milionárias que do governo de Cristina Kirchner bancava o bolso de poucos e jamais chegava aos clubes e funcionários. A lamentar que enquanto a CBF contratou recentemente seis treinadores, no mesmo período a AFA somou nove técnicos. A procurar um novo comandante, Jorge Sampaoli e Diego Simeone são os nomes, mais uma vez, sondados. A situação do técnico do Sevilla é muito mais próxima da sua seleção, pois o seu relacionamento com a os atletas é tão bem visto quanto o baixo valor de sua multa rescisória, em um milhão e meio de euros a partir de maio. Enquanto Simeone, no Atlético de Madrid, tem a quantia de cinquenta e seis milhões de euros para ser paga diante de sua saída para qualquer clube ou seleção. Qualquer seja o comandante terá que ir além da realização de um sonho pessoal, como Bauza, e chegar a consagração coletiva de estar além da atual quinta colocação nas Eliminatórias, que leva apenas a repescagem para o Mundial da Rússia.

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Leave a Reply