Colunas

"Fomos nós que começamos e agora vamos terminar", Andrés sobre a Arena

Andrés Sanchez, em seu terceiro mandato como presidente do Corinthians, terá que buscar uma solução para a arena de Itaquera. Principal promessa de Andrés à época da construção da arena, os naming rights não foram vendidos. A dívida com a Caixa Econômica Federal, que emprestou dinheiro para a construção, voltou a ser paga no final do ano passado. Haverá, porém, um movimento da diretoria para renegociar o valor, atualmente na casa dos R$ 1,170 bilhão: “Quando você compra uma casa e é mandado embora do trabalho, tem que renegociar. Ninguém quer deixar de pagar e ninguém quer deixar de receber. Todos os envolvidos, Corinthians, Odebrecht e Caixa, têm que negociar. Fomos nós que começamos e agora vamos terminar”, afirmou Andrés.
Na conta ainda deveriam entrar os Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento (CIDs), orçados em R$ 420 milhões, responsabilidade da Prefeitura, que foram barrados pelo Ministério Público. Há a esperança de que João Dória (PSDB) reveja a situação durante o seu mandato, com articulação planejada inclusive na Câmara dos Vereadores.
“É prioridade do meu mandato resolver o mais rápido possível uma nova engenharia jurídica e financeira com a Caixa e a Odebrecht. É o desafio de todos os corintianos. Todos sabiam como seria a Arena. Foi aprovado no Conselho, não fiz nada sozinho”, declarou o presidente.
Ele pediu harmonia entre as correntes políticas em sua primeira entrevista formal no cargo: “Temos que tentar unir o Corinthians. As próximas eleições serão em três anos, com outros candidatos. Espero que os sócios e novos conselheiros tenham a consciência de que a união será importante, apesar de todas as diferenças. Serão anos difíceis, mas de muita alegria, tentando fazer o melhor pelo clube”.

Foto: Sergio Barzaghi

Nenhum comentário