Últimas Notícias

Largou na frente: Em jogo de volantes, São Paulo vence Corinthians no Morumbi

O Estádio do Morumbi recebeu o maior público do Campeonato Paulista de 2018 para o jogo da primeira Semifinal entre São Paulo e Corinthians. As equipes não eram bem aquelas que os torcedores acostumaram a verem durante os jogos do estadual até aqui, perante a data FIFA e algumas lesões. Pelo lado mandante, o São Paulo não contou com o zagueiro Rodrigo Caio, convocado a seleção brasileira e o meia Cueva, convocado a seleção peruana, além do lesionado meia-atacante Valdívia. O Corinthians sofreu com a ausência dos selecionáveis Fagner, pela lateral, e Balbuena, pela zaga e Romero, no ataque, pelas respectivas esquadras de Brasil e Paraguai, além dos lesionados meias Jadson e Rodriguinho, com Clayson ainda sendo poupado na ponta esquerda. De nomes incertos, a partida teve ainda, duas surpreendentes escalações, com ambas as equipes se espelhando em uma formação com três volantes, sendo Jucilei, Petros e Liziero pelos mandantes e Ralf, Gabriel e Maycon pelos visitantes. E quando a bola rolou a direção da partida pareceu mesmo estar nas mãos dos condutores da bola no setor mais povoado.
O meio de campo recebeu diversas jogadas com a intensidade que mostrava o quanto o clássico seria pegado. A bola não passava de pé em pé sem que antes eles fossem acertados pela trava da chuteira adversária com a pegada que um clássico pedia. A média de faltas era alta, com uma a cada dois minutos, os passes errados eram maiores pelos visitantes, que dobravam a quantia dos mandantes, enquanto as chances de Gol sequer chegavam a serem contadas com expressão. Um chute isolado de Liziero por cima do gol de Cássio era a única oportunidade real do São Paulo até quase o final da etapa inicial. Na linha lateral, as discussões chamavam a atenção, principalmente entre Nenê e Carille, experientes em saberem que uma voz alta não ganha jogo, mas que um pé alto na hora certa pode vencer uma partida. Foi novamente o pé de Trellez, que cortou uma saída de bola do jovem Mantuan, quando o lateral lançaria o ataque do Corinthians. Lembrando a interceptação feita no goleiro Paes contra o São Caetano, o colombiano roubou a menina e atravessou o campo para, sem ser incomodado por Gabriel e Henrique, chutar para a defesa de Cássio, que rebateu para o meio, Pedro Henrique não chegou a tempo, mas Nenê sim. O meia chutou, a menina tocou na mão esquerda de Cássio e entrou para balançar as redes e abrir o placar no Morumbi. Na comemoração nadou em braçadas rumo ao banco do Corinthians para em frente de Carille, desafeto na primeira etapa, bater nos braços e gritar sua alegria para todo o torcedor tricolor.
Além do cartão amarelo pela comemoração, Nenê voltou a segunda etapa com uma conversa ao pé do ouvido entre ele, Emerson, capitão do Corinthians e os treinadores Diego Aguirre e Fábio Carille. Pazes feitas, ânimos acalmados e a segunda etapa pareceu mesmo uma troca de cordialidades. Nem o São Paulo parecia desejar ampliar o marcador e nem o Corinthians se mostrava interessado em criar chances de gol que buscassem o empate. O clima de "ficou para a Arena" foi sendo maior a cada minuto que se passava. O São Paulo deu a posse de bola ao Corinthians para buscar o contra ataque. Enquanto Emerson era o mais aguerrido dos visitantes, Aguirre buscou em Lucas Fernandes uma qualidade maior no passe para que se chegasse mais uma vez ao gol de Cássio, com a substituição da saída de Marcos Guilherme. Carille respondeu com a entrada de Lucca no lugar do apagado Junior Dutra. Aos poucos a saída de bola do São Paulo ficou lenta com o cansaço de Liziero, que pediu para sair com Câimbras, dando lugar ao também volante Araruna. O melhor em campo do Corinthians entrou quando saiu Emerson, para a entrada de Pedrinho. O garoto, cobrado como titular pela torcida do Corinthians, deu novo dinamismo ao ataque, buscando chances de gol, até então não buscadas. Mas foi insuficiente para uma reação. Nenê ainda deixou o gramado para a entrada de Morato, que não atuava desde dezenove de abril do ano passado, quando rompeu os ligamentos em uma partida contra o Cruzeiro, pela Copa do Brasil. O seu chute a distância foi o único real incômodo de Cássio nos minutos finais. O torcedor do São Paulo que não teve seu pedido pela entrada de Diego Souza atendido, deixou o Morumbi feliz pela vitória, mas assim como o torcedor do Corinthians, sabendo que o apito final de Raphael Claus, recém pai do menino Lucas na última quinta-feira, ainda não definiu o finalista do Campeonato Paulista de 2018. Itaquera espera ambos na próxima quarta-feira as 21h45, com o vencedor desta tarde jogando pelo empate.

FICHA TÉCNICA
SÃO PAULO 1 X 0 CORINTHIANS

Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)
Data: 25 de março de 2018, domingo
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro: Raphael Claus (SP)
Assistentes: Emerson Augusto de Carvalho (SP) e Vitor Carmona Metestaine (SP)
Cartões amarelos: Reinaldo, Nenê e Bruno Alves (São Paulo); Maycon (Corinthians)
Público total: 42.830
Renda: R$ 1.488.811,00 (bruta); R$ 1.110.161,66 (líquida)
Gol: SÃO PAULO: Nenê, aos 47 minutos do primeiro tempo

SÃO PAULO: Sidão; Éder Militão, Arboleda, Bruno Alves e Reinaldo; Jucilei, Petros, Liziero (Araruna), Marcos Guilherme (Lucas Fernandes) e Nenê (Morato); Tréllez
Técnico: Diego Aguirre

CORINTHIANS: Cássio; Mantuan, Pedro Henrique, Henrique e Sidcley; Ralf, Gabriel, Maycon, Júnior Dutra (Lucca), Mateus Vital e Emerson Sheik (Pedrinho)
Técnico: Fábio Carille

Foto: Redes Sociais do São Paulo

Nenhum comentário